Shell paralisa trabalho na Síria devido a repressão aos protestos contra o governo

A companhia de petróleo anglo-holandesa Shell paralisou os trabalhos na Síria para obedecer a novas sanções da União Europeia, impostas ao país devido à repressão violenta aos protestos contra o governo.

A companhia também afirmou que a suspensão dos trabalhos no país leva em conta a segurança de seus funcionários.

A medida foi tomada no momento em que a principal agência de direitos humanos da ONU fez duras críticas à Síria. O Conselho de Direitos Humanos da organização aprovou uma resolução, indicando ainda um enviado especial para investigar as suspeitas de abuso.

Considerada por diplomatas a mais dura até o momento, a resolução fala de violações graves e sistemáticas das forças sírias e pede a libertação dos todos os presos políticos, além da suspensão de oficiais envolvidos em abusos.