Presidente sírio nega ter ordenado repressão violenta a protestos

O presidente da Síria, Bashar al-Assad, negou ter ordenado aos militares que matassem ou reprimissem violentamente protestos contra o governo.

Em entrevista ao canal de TV americano ABC News, Assad disse que “apenas um louco” mataria seu próprio povo.

Assad disse não se considerar dono do país ou do Exército, negou se sentir culpado pela violência, embora tenha dito lamentar as vidas perdidas.

O presidente sírio classificou ainda a ONU, que estima que quatro mil pessoas foram mortas em protestos no país, é uma instituição “sem credibilidade”.