Premiê britânico rejeita acusação de 'ameaçar mercado comum' europeu

O premiê britânico, David Cameron, rejeitou nesta terça-feira as acusações do presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, de que as exigências da Grã-Bretanha ameaçam a "integridade do mercado comum" europeu.

Na semana passada, a Grã-Bretanha se recusou a assinar um pacto de maior controle fiscal e orçamentário com os demais 26 países na União Europeia - a alegação de Londres é de que o acordo prejudicaria o mercado financeiro britânico.

A ausência da Grã-Bretanha do pacto levantou temores de uma Europa dividida.

Nesta terça, Barroso disse que as exigências britânicas "impediram que se chegasse a um meio-termo. A todos os demais chefes de governo sobrou a escolha entre pagar o preço (exigido pelos britânicos) ou seguir adiante sem a participação da Grã-Bretanha".

Em resposta, um porta-voz de Cameron disse que o premiê queria igualdade de condições, e não um tratamento especial para a Grã-Bretanha.

A rejeição britânica ao pacto gerou debates no país entre os que apoiam a decisão de Cameron e os que temem um maior isolamento britânico do restante da UE.