Entidade acusa oficiais sírios de ordenar soldados a atirar para matar

O grupo de defesa Human Rights Watch acusou dezenas de autoridades e comandantes militares da Síria de ordenar soldados a atirar para matar durante as manifestações populares contrárias ao governo.

A entidade deu o nome de 74 autoridades que estariam envolvidas diretamente em crimes contra a humanidade.

As acusações são baseadas nos testemunhos de mais de 60 desertores do exército sírio.

O Human Rights Watch diz que a responsabilidade pelos abusos é direta do presidente sírio, Bashar Al-Assad.

Na semana passada, em entrevista a uma rede de TV americana, Assad negou que tenham sido dadas ordens para matar ou ser brutal com os manifestantes.