Próteses de silicone francesas continham 'aditivo de combustível'

Os implantes de silicone da empresa francesa PIP, que estão no centro de um escândalo de saúde pública no país, continuam aditivos de combustível não testados para o uso clínico.

Os aditivos estavam em uma lista de materiais utilizados na fabricação das próteses obtida pela emissora de rádio francesa RTL.

A empresa alemã Brenntag confirmou que vendeu silicone industrial para a empresa francesa, agora extinta. O silicone vendido é normalmente usado em construções, eletrônicos e petroquímicos.

As recomendações para mulheres que tem os implantes foram diferentes na França de na Grã-Bretanha, apesar de um cirurgião britânico que investiga o caso, Tim Goodacre, ter dito que o alto índice de rompimento das próteses significa que eles devem ser removidos.