Ativistas dizem ter comprovação de tortura de manifestantes na Síria

Um grupo de ativismo internacional, Avaaz, diz que tem documentos comprovando que mais de 600 sírios foram torturados até a morte por forças de segurança, durante a repressão aos protestos anti-governo no país.

O Avaaz, fundado em 2007 pelo ativista canadense Rick Patel, pediu que os observadores da Liga Árabe na Síria visitem os locais onde as torturas aconteceram, para garantir que o governo pare com os abusos.

O primeiro-ministro do Catar admitiu que a missão cometeu erros, mas disse que seu objetivo era monitorar a situação, e não pôr fim às mortes.

O chefe do Exército Livre da Síria, composto de soldados que se juntaram à oposição, disse que a missão falhou e que a Liga Árabe deve deixar que a ONU assuma o comando da situação.