Grã-Bretanha não pode deportar clérigo radical para Jordânia

A corte europeia de Direitos Humanos decidiu nesta terça-feira que o clérigo radical Abu Qatada não pode ser deportado da Grã-Bretanha para a Jordânia.

Os juízes reconheceram como eficiente o acordo firmado entre os dois países para impedir que o religioso fosse submetido a tortura, mas disseram que ele não deve ser julgado por terrorismo com base em evidências obtidas por meio deste método.

O governo britânico disse que vai recorrer da decisão. Qatada é considerado um dos mais importantes clérigos islâmicos na Europa e defende causas jihadistas.

Ele está sob um tipo de prisão domiciliar na Grã-Bretanha.