Juiz espanhol é inocentado por investigar crimes da era Franco

O juiz espanhol Baltasar Garzon foi inocentado nesta segunda-feira das acusações de ter violado uma lei de anistia de 1977 ao investigar crimes cometidos durante a era Franco.

Dois grupos de direita haviam acusado Garzon de abuso de poder ao tentar indiciar pessoas por crimes cometidos entre 1936 e 1975. O juiz argumentava que se tratava de crimes contra a humanidade, e por isso a lei de anistia de 1977 não se aplicaria nestes casos.

Em outro processo, no começo do mês, Garzon foi condenado por escuta ilegal. Ele perdeu o direito de exercer a profissão por 11 anos, mas está recorrendo contra a decisão.

O juiz de 56 anos ficou famoso por determinar a prisão do ex-líder chileno, Augusto Pinochet, em Londres.