Grécia aprova mais cortes, que afetarão educação, saúde pública e pensões

O Parlamento grego aprovou mais cortes de gastos públicos, para cumprir com as exigências de um segundo pacote de resgate financeiro pago por União Europeia, FMI e Banco Central Europeu.

Em sessão na madrugada de quarta-feira (horário local), os parlamentares acataram medidas que vão reduzir gastos com saúde pública, educação, previdência social e defesa.

Anteriormente, o governo já havia autorizado um corte de mais de 22% no salário mínimo do país.

Credores da Grécia defendem as medidas para que o país equilibre suas contas públicas e volte a crescer; já críticos das medidas de austeridade dizem que elas vão castigar a população e aprofundar ainda mais a recessão vivida pelos gregos.