Lubanga condenado por usar crianças em guerra civil no Congo

O ex-líder de milícia congolês Thomas Lubanga foi considerado culpado pelo Tribunal Penal Internacional (TPI) das acusações de recrutar crianças soldados entre 2002 e 2003.

Os procuradores o acusaram de usar crianças de até nove anos de idade como guarda-costas, escravos sexuais e soldados.

Lubanga, que liderou um grupo rebelde durante conflitos étnicos na região de minas de ouro da República Democrática do Congo, será sentenciado em uma audiência futura e pode ser condenado à prisão perpétua.

O julgamento de Lubanga foi o primeiro realizado pelo TPI. O tribunal, com sede em Haia, na Holanda, entrou em vigor 2002 como uma corte permanente e independente para julgar suspeitos de crimes de interesse internacional, como genocídio, crimes contra a Humanidade e crimes de guerra.

Lubanga era o líder da União de Patriotas Congoleses e de seu braço armado, entre 2002 e 2003, na região de Ituri. Ele ainda tem forte apoio dentro de sua comunidade, a Hema, em Ituri.

A organização não governamental Human Rights Watch afirma que mais de 60 mil pessoas foram mortas nos conflitos entre os Hema e os Lendu.