Sudão do Sul deve desmobilizar crianças-soldados, diz enviada da ONU

Os líderes do Sudão do Sul parecem comprometidos a desmobilizar as cerca de 2 mil crianças-soldados que ainda servem no Exército do país, disse nesta segunda-feira a enviada especial da ONU Radhika Coomaraswamy.

Segundo Coomaraswamy, há entre as mais altas autoridades do Sudão do Sul a determinação de assegurar que o antigo exército rebelde se enquadre dos padrões internacionais.

A enviada da ONU diss que a condenação, na semana passada, do líder de milícia do Congo Thomas Lubanga pelo Tribunal Penal Internacional envia uma forte mensagem de que aqueles que exploram crianças-soldados serão punidos.