Líder pró-democracia boicota Parlamento de Mianmar por causa de juramento

A líder pró-democracia birmanesa Aung San Suu Kyi informou neste domingo que vai boicotar a sessão inaugural do novo Parlamento de Mianmar (ex-Burma), por conta de uma desavença quanto ao juramento.

A ativista e vencedora do Prêmio Nobel, que passou 20 anos em prisão domiciliar, conquistou no início deste mês uma vaga ao Parlamento do país, o que foi visto como um sinal de abertura do rígido regime birmanês.

Outros 42 membros de seu partido, a Liga Nacional para Democracia (NDL, em inglês), também foram eleitos.

Mas eles querem jurar "respeitar", e não "salvaguardar", a Constituição birmanesa, que consideram não-democrática.

A Constituição foi escrita pela antiga junta militar do país.

"Só depois que as palavras do juramento forem mudadas poderemos ir ao Parlamento", declarou um porta-voz do NDL à BBC Burma.