Senado dos EUA reforça sanções contra Irã

O senado americano aprovou uma lei que estabelece novas sanções econômicas contra o Irã.

A lei, que já foi aprovada pela Câmara dos Representantes, reforça medidas adotadas pela Casa Branca, entre elas a proibição de negócios com empresas vinculadas à Guarda Revolucionária iraniana.

A nova lei também restringe ainda mais a entrega de vistos a iranianos ligados ao governo e inclui sanções contra indivíduos ou empresas que forneçam tecnologia ou recursos que Teerã possa usar para reprimir seus cidadãos, como gás lacrimogêneo, balas de borracha e equipamentos de vigilância.

A decisão dos parlamentares americanos foi tomada na véspera de reunião de alto nível entre potências ocidentais e o Irã, que se realiza no Iraque.

O senador democrata Bob Menéndez disse que a medida busca enviar uma mensagem ao governo iraniano de que “não poderá comprar tempo” com o processo de diálogo e que se arrisca a sofrer um maior isolamento econômico.

Os Estados Unidos suspeitam que o Irã planeje usar seu programa de enriquecimento de urânio para fabricar armas nucleares.

O governo do Irã nega as alegações e afirma que seu programa nuclear é pacífico.