Israel reconhece rabina de linha não-ortodoxa do judaísmo

Em uma decisão considerada histórica por ativistas e que representa uma ruptura com as tradições religiosas locais, o governo de Israel reconheceu oficialmente nesta terça-feira como rabina uma religiosa de uma linha não-ortodoxa do judaísmo.

Miri Gold também será a primeira rabina a receber um salário subsidiado pelo contribuinte.

A decisão ocorre depois de várias reclamações feitas por grupos locais de que o governo privilegiava apenas uma linha do judaísmo na sociedade israelense.

Os ativistas esperam, ainda, que a medida permita que cerimônias de casamento possam ser realizadas por rabinos não-ortodoxos.

O ministro de assuntos religiosos, entretanto, expressou seu descontentamento com a decisão, anunciada pelo procurador-geral do país.