Em meio à Rio+20, ONGs e sociedade civil dão início à Cúpula dos Povos

Cerca de 200 ONGs e diferentes grupos da sociedade civil deram início nesta sexta-feira à Cúpula dos Povos, evento paralelo à Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20.

Segundo a Agência Brasil, as reuniões devem receber cerca de 15 mil participantes, entre brasileiros e estrangeiros, até o dia 23 de junho, em mais de 600 eventos espalhados pelo Aterro do Flamengo, na zona sul do Rio de Janeiro.

Entre os grupos representados estão movimentos indígenas, de mulheres, de negros, religiosos e ambientalistas do mundo inteiro.

O encontro visa denunciar "as causas da crise socioambiental", além de se contrapor ao conceito de economia verde, defendido na conferência da ONU que reunirá chefes de Estado no Riocentro.

De acordo com a Agência Brasil, experiências bem-sucedidas nas áreas de agroecologia e energia renovável serão apresentadas em minicursos durante o evento.

Durante assembleia, no último dia, será feito um balanço das atividades e das ações desde a Cúpula da Terra, realizada há 20 anos na Rio92, além de traçar um agenda de lutas e campanhas.