Hillary faz referência a termo vetado pelo Vaticano na Rio+20

A secretária de Estado dos Estados Unidos, Hillary Clinton, afirmou nesta sexta-feira que os Estados Unidos são um país que garante os "direitos reprodutivos" da mulher de escolher quando quer ter filhos.

"Os EUA vão continuar trabalhando para garantir que esses direitos sejam respeitados", afirmou ela, durante pronunciamento na Rio+20, a conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável.

O termo, que constava no texto final da conferência, desagradou o Vaticano e acabou substituído por pressão da Igreja Católica pela expressão "saúde reprodutiva", em referência ao direito de acesso da mulher a métodos de planejamento familiar.