Procurador-geral que causou protestos no Egito permanece no cargo

Atualizado em  13 de outubro, 2012 - 16:10 (Brasília) 19:10 GMT

O presidente do Egito, Mohammed Morsi, decidiu permitir que o procurador-geral do país, Abd-al-Majid Mahmoud, permaneça no cargo.

A decisão é um recuo do presidente egípcio que já tinha tentado demitir Mahmoud na quinta-feira, depois da absolvição de mais de 40 autoridades do antigo governo do país, leais a Hosni Mubarak.

Estas autoridades foram acusadas de organizar um ataque contra os manifestantes durante a rebelião de 2011, que resultou na queda de Mubarak.

A absolvição destas autoridades levou à convocação de novos protestos na praça Tahrir, Cairo, na sexta-feira.

Mas, neste sábado, depois de uma reunião entre o procurador-geral e o presidente Morsi, foi anunciado que Mahmoud vai permanecer no cargo.

O vice-procurador-geral afirmou que a crise no governo ocorreu devido a um mal-entendido a respeito da nomeação de Mahmoud para o cargo de embaixador do Egito no Vaticano.

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.