Ex-líder guatemalteco é condenado por genocidio

O general que liderou a Guatemala durante o período mais sangrento da guerra civil do país foi sentenciado nesta sexta-feira a oito anos de prisão por genocídio e crimes contra a humanidade.

Efrain Rios Montt foi condenado sob a acusação de ter ordenado a morte de quase 1800 pessoas do grupo étnico Ixil Maya durante seu período no poder, no início dos anos 1980.

O juiz do caso disse que, sob o comando de Montt, o Exército lançou mão de práticas violentas, estupro e privação de comida contra comunidades indígenas suspeitas de amparar guerrilheiros de esquerda.

Trata-se do primeiro ex-líder julgado por genocídio em seu próprio país.

Seu chefe de inteligência na época, Mauricio Rodríguez Sanchez, foi absolvido.