'Espiral da morte': A fase derradeira da vida que os cientistas tentam entender

Mosca morta Direito de imagem Alamy
Image caption Estudos com moscas levaram a novas descobertas sobre estágios da vida

A morte é inevitável. Mas podemos prevê-la?

Alguns cientistas acreditam que sim. Segundo eles, experimentos com moscas-das-frutas revelaram uma nova e distinta fase da vida que anuncia seu fim: um estágio que chamam de espiral da morte - na sua opinião, humanos também passam por ele.

Até 25 anos atrás, biólogos assumiam que havia apenas duas fases fundamentais da vida: infância e vida adulta, uma divisão que todos nós reconhecemos.

A infância é marcada pelo rápido crescimento e desenvolvimento, um estágio que precede nossa maturidade sexual. Durante essa fase, as chances de morrermos são constantemente pequenas.

A vida adulta começa quando atingimos a maturidade sexual, e a chance de morrermos nela também é pequena: nessa fase, estamos em nosso auge e mais propensos a procriar.

Mas, na medida em que o tempo avança, nossos corpos envelhecem e se degradam: a cada ano que passa, nossa probabilidade de morrer aumenta.

Complexidade

Nos anos 90, cientistas perceberam que a vida era um pouco mais complexa do que isso. E identificaram outra fase dela, pela qual os membros mais velhos de nossa sociedade passam - a terceira idade.

A distinção da terceira idade para o restante da vida adulta é o padrão único de mortalidade. Se um homem de 60 anos tem uma chance muito maior de morrer que um de 50, uma pessoa com 90 tem praticamente a mesma chance que uma de 100.

"As taxas de mortalidade de estabilizam", explica Laurence Mueller, da Universidade da Califórnia, nos EUA.

Direito de imagem Solvin Zankl
Image caption Moscas podem passar por uma espécie de declínio intermediário

A razão pela qual a estabilização ocorre ainda é alvo de intenso debate - não há um argumento definitivo.

Mueller e seu colega de pesquisas, Michael Rose, dedicaram-se a procurar por sinais biológicos. "Queríamos saber se a reprodução ou a fecundidade feminina seguiam o mesmo padrão", explica.

Eles concentraram seus estudos no animal de laboratório preferido dos biólogos - a mosca-das-frutas.

"Usamos 2.828 fêmeas e colocamos cada uma em um recipiente com dois machos. Todos os dias movíamos as fêmeas para um novo recipiente e contávamos quantos ovos tinham posto. Fizemos isso até que todas tivessem morrido."

As moscas normalmente vivem por diversas semanas, e os resultados iniciais pareciam ser desapontadores: as taxas de fertilidade não se estabilizaram de forma óbvia quando as moscas chegaram perto do final de suas vidas.

Mas eles notaram depois que uma mosca próxima da morte não tinha a mesma taxa de fertilidade de uma de mesma idade que teria mais algumas semanas de vida - o número de ovos postos despencou nos 15 dias finais.

Direito de imagem weestock Images / Alamy Stock Photo
Image caption A infância é caracterizada pelo crescimento rápido

Mueller e Rose batizaram essa fase de "a espiral da morte", e desde 2007 vêm procurando por mais evidências dela.

Cinco anos mais tarde, descobriram que o ciclo de fertilidade de moscas macho seguia o mesmo padrão de declínio. E neste ano, conseguiram prever se uma mosca morreria em determinado dia apenas avaliando o quão fértil tinha sido nos três dias anteriores - ignorando outras informações, como a idade do inseto.

E os pesquisadores não são os únicos a estabelecer conexões entre fertilidade e morte.

James Curtsinger, da Universidade de Minnesota (EUA), também faz experiências com envelhecimento e morte em moscas-das-frutas, e seu trabalho tem conclusões semelhantes.

Mas o cientista também descobriu que essa queda de fertilidade não depende da idade - por isso, ele acredita que a espiral da morte é um conceito vago.

Direito de imagem BERNARD CASTELEIN
Image caption Reprodução tem um preço biológico

Sua terminologia é aposentadoria - e ela é fácil de identificar em fêmeas. Começa no momento em que uma falha em colocar um único ovo.

Uma fêmea é capaz de colocar 1,2 mil ovos durante sua vida. Então, se passa um dia inteiro sem fazê-lo, isso é sinal de que algo está muito errado.

Mas Curtsinger não tem uma explicação para essa ligação forte entre fertilidade e morte.

James Carey, da Universidade da Califórnia, acredita que isso seja mais um sinal de que a reprodução tem um custo para pais, em especial para as fêmeas - mulheres podem ter problemas dentais, por exemplo, como consequência de terem muitos filhos.

Mais de dez anos atrás, Carey e seus colegas demonstraram que conseguiam alterar a longevidade de ratos se alterassem seu ciclo reprodutivo - fizeram transplantes de ovários em fêmeas, e as ratas viveram mais do que o esperado após a cirurgia.

Direito de imagem Alamy
Image caption Como determinar quando estamos em processo de morte?

"Encontramos sinais de que fêmeas com novos ovários tinham corações mais saudáveis do que as que não passaram por transplantes", diz Carey.

Mueller continua convicto de que pessoas destinadas a morrer de causas naturais passarão por um momento "espiral".

Ele cita um estudo na Dinamarca em que um grupo de voluntários nonagenários de um asilo passou por uma bateria de testes para checar força, coordenação e agilidade mental.

Anos mais tarde, eles voltaram ao local e descobriram que as pessoas que tinham morrido eram as que tinham registrado os piores resultados.

Ele acredita que seu trabalho com as moscas pode revelar estratégias para atrasar a morte, de forma que o declínio comece dias antes, em vez de semanas. "Seria interessante ficarmos saudáveis que nem todo mundo até bem perto de nossa morte."

O sucesso dessa empreitada pode representar mais qualidade de vida para humanos.

Leia a versão original dessa reportagem (em inglês) no site BBC Earth

Tópicos relacionados