Polícia e manifestantes se chocam em greve geral grega

Atualizado em  5 de outubro, 2011 - 15:17 (Brasília) 18:17 GMT

Player

País para contra plano de austeridade; governo diz não ter outra opção.

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Formatos alternativos

Choques entre manifestantes e policiais no centro de Atenas marcaram o início da greve geral de 24 horas do país nesta terça-feira, em protesto contra medidas de austeridade anunciadas pelo governo.

A greve foi convocada após o governo ter anunciado no mês passado leis de emergência sobre propriedades e a suspensão de 30 mil funcionários públicos, dentro do pacote de medidas de austeridade adotadas para conter o endividamento do país.

Convocadas por centrais sindicais, ao menos 16 mil pessoas se concentraram no centro da capital grega e se dirigiram para a frente do Parlamento, onde realizaram uma manifestação.

A polícia usou gás lacrimogênio contra grupos de manifestantes que atirava pedras.

Voos e serviços de barcos foram cancelados; escolas, escritórios do governo e locais turísticos foram fechados. Hospitais trabalham com equipes reduzidas.

Manifestantes bloquearam a entrada de vários prédios do governo, incluindo os ministérios das Finanças e dos Transportes.

Governo

O correspondente da BBC no local, Mark Kowen, diz que esta é a maior demonstração do setor púbico grego em muitas semanas.

A presença de um cão junto com os manifestantes chamou a atenção

"O governo diz estar em posição dificílima por ter que cortar gastos para chegar a suas metas fiscais e reduzir o deficit público, para evitar a concordata nas próximas semanas", diz ele.

"Mas esta onda de insatisfação social cresce com a população afirmando que as medidas aprofundam a recessão, paralisam a economia e impedem o crescimento grego", completa.

O governo diz ter dinheiro o bastante para pagar aposentadorias, pensões, salários e títulos de sua dívida até meados de novembro.

Inspetores do FMI, do Banco Central Europeu e da Comissão Europeia estiveram em Atenas nesta semana para avaliar a situação financeira grega antes de liberar outra parcela do pacote de ajuda financeira para o país.

Mas a decisão foi adiada após o governo grego admitir que o deficit orçamentário ficará em torno de 8,5% neste ano, em vez da meta de 7,5%, acordada como condição para o pacote de ajuda financeira.

A Comissão Europeia estuda formas de proteger os bancos da zona do euro contra uma possível contaminação pela crise grega.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.