Vidas no batente: 'Empreendedor praiano' do Vidigal ganha a vida nas areias do Leblon

Atualizado em  18 de outubro, 2012 - 15:03 (Brasília) 18:03 GMT

Player

É assim que Ronaldo Correia, mais conhecido como Panela, gosta de definir seu trabalho.

Assistirmp4

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Formatos alternativos

Ronaldo Correia, mais conhecido como Panela, gosta de se definir como um empreendedor praiano.

Morador do Vidigal, favela na zona sul do Rio, ele tem uma barraca de praia há 15 anos no Posto 12, na praia do Leblon, logo ao pé do morro onde cresceu.

Ainda criança ele descobriu que poderia ganhar dinheiro na praia. Sua mãe saía para trabalhar, não tinha com quem deixar os filhos e ele descia para a praia porque não tinha comida em casa.

"Todo dia aqui na praia eu via que tinha como catar umas latinhas, para vender e arrumar um dinheirinho", lembra.

Panela | Foto: BBC

Mais conhecido como Panela, Ronaldo Correia ganha a vida alugando cadeiras de praia no Leblon

Hoje aos 45 anos, Panela é parte da diversificada economia da praia carioca, onde ambulantes vendem de tudo um pouco, de roupas a redes, de açaí a abacaxi.

Ele aprendeu a consertar cadeiras de praia e começou a renovar as que achava no lixo para alugar. Até que conseguiu abrir sua própria barraca.

"No verão, como tem muito turista, dá para tirar uma grana legal. Só que no inverno você tem que administrar o dinheiro que você ganhou no verão", diz.

A rotina do barraqueiro começa cedo. Na alta estação, Panela desce o morro às 5h para montar a barraca na areia, com uma camionete carregada de cadeiras, sombrinhas e bebida.

Mas mesmo quando não dá praia, ele diz não ficar parado e faz os bicos que aparecerem, seja lavando prato, trabalhando em construção ou consertando fogões e panelas - de onde vem seu apelido.

Panela também é músico, e neste ano ensaiou os primeiros passos como político. Ele se candidatou a vereador pelo PT do B - como "Panela do Vidigal", mas não conseguiu se eleger. Ele queria trazer benefícios para a sua comunidade.

"Se o Brasil cresce, porque o Vidigal não crescer? Eu não quero ver chegar aqui um montão de turista, subir, passear e falar 'beautiful, beautiful'. Beautiful nada. Beleza não é tudo. Falta investimento."

Esta é a quinta reportagem da série Vidas no batente, que revela perfis profissionais que ilustram mudanças recentes no país.

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.