Passeata contra casamento gay vira desafio para presidente francês

Atualizado em  14 de janeiro, 2013 - 09:48 (Brasília) 11:48 GMT

Player

Em nota, governo diz que manifestação não muda intenção de abrir debate no Parlamento sobre assunto.

Assistirmp4

Para executar este conteúdo em Java você precisa estar sintonizado e ter a última versão do Flash player instalada em seu computador.

Formatos alternativos

Marcha contra o casamento gay. AP

A organização fez um esforço de relações públicas para não ser classificada como homofóbica

No dia em que as Forças Armadas da França se envolviam em um conflito militar na África, o presidente François Hollande se viu acuado por uma manifestação contra um projeto de ordem doméstica – o casamento gay.

Milhares de pessoas foram às ruas de Paris e de outras cidades do país contra a proposta do governo, que ainda aguarda discussão no Parlamento. A polícia fala em 340 mil pessoas, enquanto a organização afirma ter reunido 800 mil pessoas.

Embora não tenha sido oficialmente convocada por nenhum partido político, a passeata em Paris reuniu diversos líderes religiosos e da oposição.

Jean François Cope, líder do UMP, principal partido da oposição de centro-direita, disse que a manifestação foi um "teste" para Hollande.

"Claramente, milhares de pessoas estão preocupadas com esta reforma", disse o oposicionista.

Em nota oficial, o governo admitiu que a manifestação foi "consistente", mas disse que a marcha "não muda a vontade do governo de abrir um debate no Parlamento que permita a votação desta lei".

A porta-voz da Presidência, Najat Vallaud-Belkacem, disse que o governo está "totalmente determinado" com a reforma do Código Civil, sugerindo que a oposição está usando o tema para atacar politicamente Hollande.

"Além das questões que são legítimas, há uma instrumentalização política no seio desta manifestação", disse, "integrada claramente pela direita, que decidiu se mobilizar em torno dessa questão a fim de ganhar força".

A passeata ocorreu no fim de semana em que caças franceses bombardearam alvos de extremistas islâmicos que tentaram tomar o governo do Mali, uma ex-colônia na África. Os franceses se juntaram às forças do país no combate aos rebeldes.

Dois soldados morreram durante uma tentativa de resgatar dois cidadãos franceses, também mortos, que estavam em poder de rebeldes islâmicos.

Divisão

François Hollande. AFP

Manifestação acuou Hollande durante campanha militar francesa contra rebeldes islâmicos no Mali

Segundo uma pesquisa de opinião publicada no fim de semana pelo jornal Le Nouvel Observateur, 56% dos franceses concordam com o casamento gay. Cerca de 50%, por outro lado, não são a favor de adoções por casais de mesmo sexo.

A união civil já é reconhecida na França, mas Hollande prometeu, durante sua campanha eleitoral, colocar em discussão o casamento.

Os organizadores da passeata reforçaram, em vários momentos durante o evento, que não queriam ser classificados como "homofóbicos".

A principal porta-voz da manifestação, a comediante Frigide Barjot, disse que o casamento gay "não tem sentido", "porque uma criança apenas pode nascer de um homem e de uma mulher".

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.