(BBC)
A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

BBC testa caixa de 'tortura' usada pela CIA na 'Guerra ao Terror'

Após os atentados de 11 de setembro de 2001, os Estados Unidos colocaram em prática o que chamaram de "técnicas aprimoradas de interrogatório".

Durante muito tempo, a CIA, a agência de inteligência americana, alegou, no entanto, que tais métodos, usados durante o governo de George W. Bush, não incluíam tortura, porque eram legalmente aprovadas pela Casa Branca.

Mas a realidade era bem diferente. Em uma entrevista ao programa Panorama, da BBC, que foi ao ar nesta semana, Buzzy Krongard, ex-diretor-executivo da CIA, admitiu a prática de tortura.

"Os métodos tinham como objetivo deixar os suspeitos 'desconfortáveis'. Sem me ater à semântica, sim, era tortura (o que a CIA fazia). Havíamos sido informados por autoridades legais que podíamos torturar as pessoas e você diz que isso é errado", afirmou ele à repórter da BBC Hillary Anderson.

Hillary decidiu se submeter a uma das técnicas mais usadas contra prisioneiros da guerra contra o terror: a caixa-preta.

Com a ajuda de Malcomn Nance, um ex-instrutor da Marinha americana, essa polêmica técnica de interrogatório foi recriada pela primeira vez para uma emissora de TV.

Nance era responsável por treinar militares sobre como resistir à tortura. Foi no seu programa de treinamento militar que a CIA se inspirou para extrair confissões à força de suspeitos de terrorismo.

A caixa foi construída segundo especificações originais. Um dos prisioneiros chegou a ficar 29 horas dentro do objeto ao longo de três semanas.

Presa dentro da caixa, a repórter confessa que permanecer dentro dela será um teste físico e mental.

Os torturadores chegam a colocar, inclusive, uma gravação de bebês chorando compulsivamente para tentar desestabilizá-la.

Ao fim de 12 minutos, Hillary chega ao limite e pede para sair.

Leia mais: Chefe da CIA defende estratégia adotada após 11 de Setembro

'Waterboarding'

Image caption Waterboarding - ou afogamento simulado - era uma das técnicas usadas pela CIA para extrair informações confidenciais de prisioneiros

Depois da caixa preta, é a vez de recriar a técnica conhecida como waterboarding (ou afogamento simulado).

Chris Sampson, integrante da equipe de Nance, aceitou participar da simulação, sob condições estritamente controladas e com acompanhamento médico. Ele nunca havia sido submetido a tal técnica.

Completamente imobilizado em cima de uma prancha de madeira, a sessão de afogamento simulado começa. Sampson mal consegue respirar e controlar seus movimentos.

A sessão é interrompida 17 segundos depois, quando os torturadores tentam extrair informações privilegiadas dele. Se fosse real, o processo continuaria por horas a fio.

Leia mais: Se tortura não funciona, qual é o melhor método de interrogatório?

'Estado Islâmico'

Ao longo do tempo, no entanto, os métodos de tortura da CIA ganharam força em todos os níveis das Forças Armadas americanas e a autoridade moral do Ocidente começou a declinar.

Nos campos de detenção do Iraque, o grupo autodenominado "Estado Islâmico" nasceu.

Agora, o grupo recorre a táticas muito semelhantes às empregadas pelas forças americanas.

Para especialistas de segurança, o programa de tortura dos Estados Unidos talvez tenha permitido vencer batalhas de inteligência, mas também alimentou o ódio em algumas partes do mundo.

"Esse é um capítulo negro com o qual nós devemos aprender. E acho que o mundo também deve aprender. Esses não são os Estados Unidos que tanto defendemos. Nossos valores foram violados, nosso sistema de Justiça também, e não devemos deixar que isso aconteça de novo", afirmou à BBC a senadora Dianne Feinstein.