APTN
A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

Vídeo de jovem negro morto com 16 tiros por policial branco gera protestos nos EUA

Imagens divulgadas pela polícia mostram um policial branco matando um jovem negro à queima-roupa nos Estados Unidos.

O caso ocorreu em Chicago, no ano passado.

O policial, Jason Van Dyke, foi indiciado nesta semana por assassinato em primeiro grau por matar Laquan McDonald, de 17 anos.

Dyke disparou 16 vezes contra McDonald.

A polícia alega que o jovem se recusou a largar uma faca.

Após a divulgação do vídeo, na terça-feira, centenas de pessoas realizaram uma passeata em Chicago, bloqueando o trânsito. Durante o protesto tenso, porém pacífico, os manifestantes gritavam "16 tiros".

O prefeito de Chicago, Rahm Emanuel, pediu calma à população.

A promotora do Estado, Anita Alvarez, disse que não havia justificativa para os disparos contra o jovem.

A um ano dos protestos violentos de Ferguson, Missouri, o país mais uma vez se encontra debatendo as circunstâncias envolvendo o assassinato a tiros de um jovem negro por um policial branco.

Segundo o correspondente da BBC nos Estados Unidos Rajini Vaidyanathan, ativistas em Chicago passaram um ano fazendo campanha pela liberação de vídeos da morte de McDonald capturados pelas câmeras em painéis de carros da polícia. O sindicato de policiais de Chicago se opôs à divulgação do vídeo na terça-feira, dizendo que ela poderia influenciar indevidamente o júri.

Em Ferguson não houve vídeos que mostraram a morte de Michael Brown, de 18 anos, e até hoje se debate no país se a decisão do Grande Júri de não levar o policial que o matou, Darren Wilson, a julgamento foi acertada ou não.

Por vários meses, o país presenciou protestos contra o suposto uso excessivo da força pela polícia contra cidadãos negros americanos.

Leia também: Ferguson faz silêncio no aniversário da morte de jovem negro