Shindo Renmei: a misteriosa organização que matava japoneses no Brasil após a Segunda Guerra

Compartilhe este post com Email Compartilhe este post com Facebook Compartilhe este post com Twitter Compartilhe este post com Whatsapp

Image copyright Arquivo Pessoal
Image caption A família Mizobe chegou ao Brasil em 1927

Notícias falsas, as chamadas fake news, estão em evidência nos últimos tempos, mas não são uma invenção moderna. Em 1946 elas já existiam – e já faziam vítimas no Brasil.

Após o fim da Segunda Guerra, um grupo extremista de imigrantes japoneses começou a espalhar o boato de que o Japão não havia perdido a guerra. Segundo eles, as notícias da rendição do imperador japonês em 1945 eram mentiras espalhadas pelos Aliados para minar o moral dos nipônicos.

A crença dos membros do grupo nacionalista, chamado Shindo Renmei, em sua própria versão da realidade eram tão fortes que eles assassinavam quem dissesse a verdade. As vítimas eram outros imigrantes que aceitavam o fato de que o Japão tinha perdido a guerra. Os extremistas os chamavam de "corações sujos" e acreditavam que eles deveriam ser eliminados em prol do amor à pátria.

Entre 1946 a 1947, pelo menos 23 membros da comunidade japonesa no Brasil foram assassinados por causa de seu compromisso com a verdade. E ao menos 147 foram feridos.

O pai de Aiko Higuchi foi um deles. Hoje, aos 98 anos, Aiko conversou com a BBC News Brasil sobre a morte de seu pai, o sofrimento da família e como, só 62 anos depois, ela finalmente ficou em paz em relação ao seu passado.

Image caption Aiko Higuchi, de 98 anos, é filha do primeiro imigrante morto pelo grupo Shindo Renmei

A vida na guerra

Em agosto de 1942, o Brasil entrou na Segunda Guerra ao lados dos Aliados – EUA, Reino Unido, França, União Soviética e China, entre outros – declarando guerra aos países do eixo: Alemanha, Itália e Japão.

Imigrantes desses países eram vistos com desconfiança. Foi uma época difícil para os 160 mil imigrantes japoneses – a maioria dos quais trabalhava na roça.

Aiko Higuchi, na época, uma agricultora de 23 anos, vivia em Bastos, no interior de São Paulo. Assim como muitas famílias de imigrantes, a sua tinha vindo para o Brasil em busca de uma vida melhor. Ela tinha sete anos.

"Papai deixou o filho mais velho no Japão porque achava que ia ficar 5, 6, 7 anos no Brasil e depois voltaria. A propaganda no Japão era a de que, no Brasil, você ganhava dinheiro fácil."

A realidade, no entanto, era bem diferente – e a situação da comunidade piorou muito após a entrada do Brasil na guerra.

"Não vinham cartas (do Japão), né? Não pode ouvir rádio. Jornal japonês era proibido. A gente ficava no escuro, não sabia nada do que estava acontecendo", conta Aiko no sobradinho onde mora hoje no bairro de Santana, em São Paulo.

"Não pode falar japonês na rua. Se fala japonês, entra na cadeia"

Sentada no sofá da sala, ela relembra de detalhes do passado como se tivessem acontecido na semana passada.

Image copyright Arquivo Pessoal
Image caption Aiko estudou em escola só para imigrantes em Bastos, no interior de SP

Imigrantes não podiam dirigir e não podiam viajar. Escolas foram fechadas e empresas japoneses tiveram o capital confiscado.

As condições levaram ao surgimento de grupos que proviam apoio para a comunidade. Um deles, no entanto, acabou seguindo um caminho sombrio: o Shindo Renmei, fundado por Junji Kikawa, um ex-oficial do exército japonês.

Durante a guerra, Kikawa tentou ajudar os esforços de guerra japoneses pressionando os fazendeiros imigrantes para que parassem de produzir seda, que era usada para fazer paraquedas para os Aliados.

Sua organização teve um papel central nos eventos trágicos dentro da comunidade após 15 de agosto de 1945, quando o imperador Hiroito anunciou a rendição do Japão.

A Segunda Guerra havia acabado, e o Japão perdido. Mas o Shindo Renmei começou a espalhar rumores na comunidade japonesa de que isso era uma grande mentira, inventada pelos Aliados para minar o ânimo dos japoneses.

"Mandavam mensagens falando que Japão tinha ganhado guerra e ia mandar navio para levar japonês de volta", conta Aiko.

"Eles eram, como diz? Fanáticos, né? Maioria eram pessoas com pouca educação em cidades com muitos japoneses: Bastos, Pompeia, Tupã."

"Aí que Shindo Renmei começou a fazer isso: falava que quem falasse que o Japão perdeu a guerra não era japonês. Era traidor."

Compromisso com a verdade

O Shindo Renmei tinha como alvo os integrantes mais proeminentes da comunidades, que eram mais integrados com os brasileiros e tinham mais acesso à informação.

O pai de Aiko, Ikuta Mizobe, era o gerente de uma cooperativa de agricultores em Bastos, onde a maioria da população era de imigrantes japoneses.

"Papai tinha que falar com os cooperados, ele era gerente de cooperativa. Tem que falar a verdade, né?", relembra Aiko.

"As pessoas vinham perguntar sobre a guerra, e ele falava o que sabia: que o Japão tenha perdido."

Image copyright Arquivo Pessoal
Image caption Ikuta Mizobe era gerente de uma cooperativa de agricultores e foi morto por falar a verdade

"Meu pai recebeu carta com duas palavras: pessoa e coração, cortado com uma faca. Minha mãe queimou a carta. Desde aquele dia eu não consegui mais dormir, toda noite ia pra cama pensando", diz ela.

Em 1946, Aiko estava casada, vivendo na cidade de Pompeia, com o marido e seu filho recém-nascido, Katsuo Higuchi.

Em 7 de março, uma caminhonete chegou a sua casa com uma mensagem. "Meu sogro escreveu bilhete falando que papai tinha machucado pé e mandaram me buscar."

"Mas quando eu cheguei à casa da minha mãe, o caixão estava em cima da mesa", diz dona Aiko, com a voz embargada.

Quando se emociona, dona Aiko mistura palavras em português com frases em japonês, sua língua materna.

Sangue e lágrimas

"Na noite anterior meu pai tinha saído para dar uma olhada nas orquídeas e fechar o portão, que meu irmão mais novo sempre deixava aberto", conta Aiko.

"Então ele foi ao banheiro, atrás da casa. Dois homens estavam escondidos. Quando ele estava fechando a porta, eles atiraram. Minha mãe ouviu os tiros e saiu, e viu dois homens fugindo no cavalo."

"Mamãe falou depois: nunca imaginou que tinha tanto sangue no corpo", diz Aiko, misturando japonês e português. "Ela limpou meio balde de sangue."

"Meu pai nunca fez nada de mal para ninguém, porque Deus não ajuda? Mas a gente sofreu por causa disso, viu?"

O pai de Aiko foi a primeira vítima do terrorismo do Shindo Renmei. Eles usavam armas e, às vezes, katanas – as espadas tradicionais japonesas.

Image caption Integrantes do Shindo Renmei espalhavam que o Japão não havia perdido a guerra

Anos depois, cerca de 380 imigrantes foram investigados por participarem do Shindo Reimei. Muitos foram condenados a penas entre 1 e 30 anos na prisão. Quatorze jovens foram condenados por homicídio. Mas, no fim dos anos 1950, muitos já estavam livres.

Alguns deles chegaram a ser entrevistados para um documentário. Tokuichi Hitaka, que matou um ex-coronel do exército japonês na cidade de São Paulo, explicou porque confessaram quando foram presos.

"Depois do assassinato, eu joguei a arma fora. Na delegacia, o delegado não acreditava que a gente estava confessando. Do ponto de vista dos brasileiros, nós éramos um bando de idiotas. Mas nós acreditávamos que estávamos fazendo nosso dever pela pátria. Nós assumimos o que fizemos, como verdadeiros japoneses", disse ele, no filme.

"Não teria tido nenhum propósito, o que fizemos, se tivéssemos negado."

Os dois homens que mataram o pai de Aiko também foram presos e condenados.

Ligação

Em 1957, Aiko mudou pra São Paulo, onde vive até hoje.

"Minha mãe guardou muita mágoa no coração a vida inteira, nunca falou muito sobre isso", conta Katsuo Higuchi, de 72 anos, filho mais velho de Aiko e o único que chegou a ser carregado pelo avô antes de seu assassinato.

A paz só veio em 2008, quando, aos 88 anos, ela recebeu um telefonema de uma mulher que queria conversar sobre o assassinato de seu pai.

Image copyright Arquivo Pessoal
Image caption A família Mizobe cultivava alimentos em Bastos, no interior de SP

"Era filha do criminoso, que chamava Yamamamoto. Ela queria encontrar. Quando ela veio, num domingo, disse que o irmão dela não quis vir porque ficou com medo, achava que eu ia matar ele", conta Aiko, rindo. "Eu não tinha coragem de matar galinha! Jamais faria isso."

"Ela veio pedir desculpas, pelo que o pai dela tinha feito. Eu disse para ela: você tem não culpa. Eu não tenho raiva de você. Mas tenho muita raiva do seu pai."

"Eu só tinha um pai. E minha mãe ficou sozinha, sofrendo."

O reencontro foi bom para as duas mulheres. Depois de 62 anos, Aiko finalmente conseguiu falar abertamente sobre o que aconteceu e ficar em paz com o seu passado.