Ricardo Boechat: o que se sabe sobre acidente de helicóptero que matou jornalista em SP

Compartilhe este post com Email Compartilhe este post com Facebook Compartilhe este post com Twitter Compartilhe este post com Whatsapp

Image copyright Divulgação Band
Image caption Ricardo Boechat voltava de evento em Campinas quando o acidente aconteceu

O jornalista Ricardo Boechat, de 66 anos, morreu em um acidente de helicóptero nesta segunda-feira, em São Paulo. A queda também vitimou o piloto da aeronave, Ronaldo Quattrucci.

Boechat retornava de um evento em Campinas, a cerca de 100 km da capital paulista, quando a aeronave em que estava fez um pouso de emergência no km 7 do Rodoanel, na Grande São Paulo, e foi atingida por um caminhão.

No evento, voltado para funcionários da empresa farmacêutica Libbs, o jornalista participou de uma conversa com o presidente da companhia, Alcebíades de Mendonça Athayde Junior. Devido à tragédia, a programação do dia na convenção foi cancelada.

O Capitão Augusto Paiva, da Polícia Militar Rodoviária de São Paulo, disse que o caminhão tinha acabado de passar pelo pedágio pela faixa do Sem Parar quando colidiu com a aeronave.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, o motorista da carreta foi socorrido com ferimentos leves por uma equipe da própria concessionária que administra a via.

No momento em que o resgate chegou, os bombeiros apagaram o fogo do helicóptero e bloquearam o trânsito da rodovia.

Image copyright Reprodução Facebook
Image caption Aeronave em que Boechat estava tinha lugar para quatro passageiros além de tripulação

A aeronave

Também segundo os bombeiros, a aeronave onde estava Boechat era do modelo BELL 206B, com o prefixo PT-HPG. A empresa proprietária do equipamento é a RQ Serviços Aéreos Especializados, da qual Quattrucci era um dos donos.

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou que a companhia não tinha autorização para prestar serviços de táxi aéreo - ou seja, transportar passageiros de forma remunerada - e somente podia realizar Serviços Aéreos Especializados (SAE), que incluem aerofotografia, aerorreportagem e aerofilmagem.

"Qualquer outra atividade remunerada fora das mencionadas não poderia ser prestada. Tendo em vista essas informações, a Anac abriu procedimento administrativo para apurar o tipo de transporte que estava sendo realizado no momento do acidente", afirmou a agência, em nota.

Ainda segundo a Anac, o helicóptero estava em situação regular, com o Certificado de Aeronavegabilidade válido até maio de 2023 e a Inspeção Anual de Manutenção em dia até maio de 2019. O monomotor tinha capacidade máxima de quatro passageiros mais a tripulação.

As investigações sobre as causas do acidente estão sendo conduzidas pelo Quarto Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa IV), do Comando da Aeronáutica.

De acordo com a Força Área Brasileira, a primeira etapa do processo de investigação é coletar dados - tirar fotografias da cena do acidente, retirar partes da aeronave para análise, reunir documentos e ouvir relatos de testemunhas.

Além de determinar as causas, o objetivo, segundo a FAB, é evitar que novos acidentes do tipo ocorram.

Image copyright Divulgação/ BAND
Image caption Boechat começou a carreira no Rio de Janeiro em 1970

Biografia

Filho de um diplomata brasileiro, Ricardo Eugênio Boechat nasceu em 1952 em Buenos Aires, na Argentina.

Segundo o Portal dos Jornalistas, ele começou a carreira no Rio de Janeiro em 1970 no Diário de Notícias, quando trabalhou para o colunista social Ibrahim Sued.

Em 1983, mudou-se para O Globo, onde se tornou colunista, até ser convidado pelo então governador do Rio, Moreira Franco, para chefiar a Secretaria de Comunicação do Estado, em 1987.

Image copyright Divulgação/Band
Image caption Desde 2006, Boechat trabalhava para o grupo Bandeirantes como apresentador de rádio e TV

Após deixar o cargo no governo, passou pelo Jornal do Brasil e pela sucursal carioca do jornal O Estado de S. Paulo.

Desde 2006, trabalhava para o grupo Bandeirantes como apresentador de rádio e TV e, a partir de 2015, passou a assinar colunas na revista Istoé.

Ao longo da carreira, ganhou algumas das principais premiações do jornalismo brasileiro, entre as quais três prêmios Esso e nove prêmios Comunique-se.

Reações

Conteúdo não disponível

A morte de Boechat chegou aos trending topics do Twitter na tarde desta segunda-feira e levou importantes nomes e instituições brasileiras a se manifestarem.

Por meio de sua conta no Twitter, o presidente Jair Bolsonaro disse que recebeu com tristeza a notícia da morte de Boechat. "Minha solidariedade à família do profissional e colega que sempre tive muito respeito, bem como do piloto. Que Deus console a todos!", afirmou o presidente.

Image caption Morte do jornalista também foi noticiada pela BBC News em Londres

O vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, manifestou seus sentimentos às famílias de Boechat e do piloto do helicóptero, que estendeu também aos membros da imprensa.

"Aos profissionais da Rede Bandeirantes, rádio e televisão, extensivos à classe jornalística, pela triste notícia do acidente que os vitimou. Deus no comando."

Conteúdo não disponível

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse, em nota, que recebeu com tristeza a notícia da morte do jornalista.

"Boechat foi um dos grandes comunicadores do nosso país e uma referência de bom jornalismo e independência. Minha solidariedade a seus familiares e amigos."

Já o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, afirmou que Boechat "era um profissional reconhecido pelo trabalho e senso crítico aguçado revelado nos principais meios de comunicação do país".

Também em comunicado, o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, chamou o âncora de um "excelente profissional que com dinamismo e versatilidade levava a notícia aos públicos mais diversos".

"Presto minhas sinceras condolências à família, aos amigos e às empresas para as quais trabalhou ao longo de quase meio século de jornalismo", afirmou Toffoli.

Em sua conta no Twitter, o governador de São Paulo, João Doria Jr., disse que o Brasil perdeu "um dos maiores jornalistas da sua história".

"Sua atuação diária demonstrava sensibilidade em defesa do interesse público e do jornalismo de qualidade. Toda a solidariedade a seus familiares, amigos e colegas da Rede Bandeirantes."

Em nota, a Prefeitura de São Paulo se solidarizou com a família e amigos do jornalista.

"Boechat teve destaque em todas as funções que desempenhou no jornalismo, seja como repórter, comentarista ou apresentador. Sempre empenhado em retratar os fatos de maneira precisa e correta, passou pelos principais veículos de comunicação do país."

*Reportagem em atualização 

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!

Alerta: Conteúdo de terceiros pode conter publicidade
Alerta: Conteúdo de terceiros pode conter publicidade
Alerta: Conteúdo de terceiros pode conter publicidade