Tim Vickery: Repúdio à imigração no Brexit nos força a pensar em uma sociedade mais inclusiva

Tim Vickery Direito de imagem Eduardo Martino

"Não sei para qual tipo de país eu estou voltando!" Esse foi o comentário de um conterrâneo meu, numa coletiva de imprensa em Nova York, um dia depois de o Reino Unido ter votado pela saída da União Europeia.

Três de nós britânicos conversávamos, todos com a sensação de ter levado um golpe no estômago. Não por causa de qualquer amor pela instituição da UE - acredito que haja argumentos bons nos dois lados do debate. Mas porque a gente tinha certeza de que o fator mais significativo no resultado - inesperado até quando se iniciou a contagem - foi um repúdio à imigração.

Assunto complicado. Imigração muitas vezes gera tensões - não somente por lá e não somente agora.

O Brasil, por exemplo, era um país de imigração em massa, e os conflitos do processo resultaram, nos anos 1930, em uma lei que discriminava abertamente os imigrantes - a Lei dos Dois Terços, que estipulava que mais de 66% dos postos de trabalho das empresas da época fossem preenchidos por brasileiros natos.

O decreto da era Vargas foi comemorado na época pelos sindicatos e visto como uma vitória do trabalhador brasileiro.

Essa hostilidade contra o imigrante é racismo? Em muitos casos pode ser. Mas não necessariamente, como mostra o exemplo britânico. Parece que, motivados por um repudio à imigração, entre os que votaram para sair da UE estão também descendentes de imigrantes recentes, que já foram vítimas de racismo.

Direito de imagem PA
Image caption Voto pela saída da UE jogou os holofotes sobre a imigração no Reino Unido

Como no caso brasileiro na década de 30, o assunto engloba outros fatores, especialmente a relação entre capital e mão de obra, e acredito que estudar isso se tornou bastante necessário.

A verdade é que as economias do mundo ocidental enfrentam um grande problema: o que fazer com tanta gente?

A produção virou global - o que quer dizer que os postos de trabalho manufatureiros têm sido deslocados aos lugares onde o capital pode pagar menos.

E aquelas pessoas no Ocidente que antigamente desempenhavam essas tarefas? Ficaram sem função. Não têm mais utilidade como produtores. Alguns, é verdade, podem ser absorvidos pela economia de serviços. Mas não todos. Sob a ótica do sistema, somente são úteis, na medida do possível, como consumidores.

Direito de imagem Reprodução
Image caption Decreto da Era Vargas, nos anos 1930, é exemplo de política anti-imigração

Mas como consumir sem produzir? O crédito somente consegue tapar o buraco a curto prazo. E, numa perspectiva mais longa, depois de décadas e gerações de progresso, pessoas estão voltando à precariedade - como os estivadores dos velhos tempos, que iam todos os dias para o lado das docas de Londres para ver quem seria escolhido para trabalhar.

Esse grupo ganhou fama por mostrar hostilidade a qualquer estranho - o que não chega a ser nenhuma surpresa, já que eles enxergavam o desconhecido como uma ameaça ao seu sustento.

Acredito que um processo semelhante esteja acontecendo agora. O imigrante paga o pato, por um lado, por uma mudança produtiva que tira empregos, e por outro, pelo fim ou redução de políticas sociais de inclusão.

A mãe da minha mãe era empregada doméstica. Eu fiz faculdade. Esse pulo em duas gerações foi fundamentado em coisas como moradia com aluguel popular e em estudo universitário não apenas gratuito, mas bancado - coisas que não existem mais.

Sendo assim, não é de se espantar que tem gente que não consegue enxergar todos os benefícios que a imigração traz, que somente vê a presença do imigrante como um fator que vai baixar mais ainda o salário - gente disposta a cair no encanto de um político populista que oferece soluções fáceis.

O plebiscito do mês passado, então, traz à tona um assunto bastante mais profundo do que a permanência ou não do Reino Unido na União Europeia. Muito mais importante é a necessidade de pensar em uma sociedade que possa ser, ao mesmo tempo, pós-industrial e inclusiva.

*Tim Vickery é colunista da BBC Brasil e formado em História e Política pela Universidade de Warwick

Leia colunas anteriores de Tim Vickery:

Notícias relacionadas