Dilma: 'Quero ser lembrada como a mulher que derrotou o golpe e instituiu a democracia'
A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

Dilma: 'Quero ser lembrada como a mulher que derrotou o golpe'

A presidente afastada Dilma Rousseff afirma estar preparando sua última cartada para tentar retomar o cargo - possibilidade que o meio político considera cada vez mais distante.

Em entrevista à BBC Brasil, ela afirma que divulgará nesta semana uma carta com os detalhes de sua proposta para tentar convencer ao menos 27 senadores a votarem contra o impeachment.

Nela, a petista se comprometerá a apoiar a convocação de um plebiscito para consultar a população sobre a realização de novas eleições.

No vídeo, ela chama o processo de impeachment de eleição indireta, diz que a população é que deveria escolher um novo governante, e não os parlamentares, e querer entrar para a história como a "mulher que derrotou o golpe instituiu a democracia no nosso país".

Dilma também afirma que o PT deve fazer um mea-culpa por ter se "contaminado pela política tradicional", mas não pode ser culpado sozinho pela crise política.

Além disso, comentou sua rotina após o afastamento.

"Hoje a atividade é diferente, eu não tenho atividade de gestão, mas eu tenho atividade de conversa, persuasão, discussão, avaliação, e de receber pessoas. Essa atividade exige uma presença minha extremamente direta e pessoal. (...) Tem um contato direto com as pessoas que tem sido muito bom."

Leia aqui a reportagem completa com a entrevista com Dilma Rousseff: Dilma diz que vai propor em carta pública plebiscito sobre novas eleições