'É muito tarde para cancelar': após elogios à abertura, imprensa estrangeira cita problemas dos Jogos

Primeiro dia da Olimpíada do Rio teve filas para jogos
Legenda da foto,

Primeiro dia da Olimpíada do Rio teve filas para jogos

"É muito tarde para cancelar a Olímpiada do Rio."

Ao falar sobre o primeiro dia do evento, uma colunista de esporte do jornal americano The New York Times disse que ele já produziu "alegrias e angústias". Para Julet Macur, mesmo com orçamento apertado, o Brasil montou um bom show na cerimônia de abertura, mas ela lembrou que o país luta contra uma crise política e um "colapso econômico", além do Zika vírus.

"Apesar dos protestos e das críticas (...), as competições começaram: tiro, ginástica, vôlei e mais". "Agora, para esses atletas, e para muitos de nós, é tarde demais para voltar atrás. Está bem aqui, agora. Antolhos e repelentes prontos. Dedos cruzados. Velocidade máxima a frente."

Também neste sábado, o britânico "The Guardian" publicou uma reportagem dizendo que os Jogos tiveram um "início caótico", com fãs que ficaram nas filas por horas para entrar nas arenas e acabaram perdendo as partidas, enquanto atletas competiam com plateias vazias.

"Os organizadores dos Jogos pediram desculpas por deixar a bola cair no primeiro dia inteiro de competição, a mannhã após uma cerimônia de abertura deslumbrante."

O tablóide inglês The Mirror mencionou a denotação de um pacote suspeito perto da linha de chegada da prova masculina de ciclismo de estrada e destacou que a explosão foi ouvida por competidores. Outros veículos, no entanto, disseram que a operação ocorreu mais de duas horas antes da chegada dos atleta e assustou espectadores e jornalistas no local.

O tom das notícias mostra que, depois de elogios à cerimônia de abertura, a imprensa estrangeira não deve poupar críticas aos Jogos.

Legenda da foto,

Pira olímpica, example da mensagem de sustentabilidade e relativamente baixo custo que marcou cerimônia

Na noite de sexta-feira, o The New York Times descreveu a festa no Maracanã como "inspiradora", dizendo também que ela ocorria em um "país ferido".

"Jogos dourados começam em Rio cinzento", escreveu o correspondente do jornal no Brasil, Simon Romero, em referência à tensão política e social que antecedeu a ocasião.

"Se há uma nação precisando de um show inspirador nesse momento, ainda que na forma de exercício de relações públicas, é o Brasil", continuou.

'Melhor do Brasil'

Para o espanhol El País, a cerimônia conseguiu se afastar do excessivo patriotismo que pode contaminar ocasiões semelhantes.

"O espetáculo, capaz de transformar o hino do Brasil quase em uma canção de protesto interpretada pela voz íntima de Paulinho da Viola, um Deus do violão, afastou dos Jogos o tom triunfalista tradicional", descreveu o El País.

Foi, nas palavras do principal diário espanhol, "uma celebração do melhor que o Brasil deu ao mundo."

Mensagem climática

Para o britânico Guardian, a cerimônia foi uma mistura de "patriotismo contido com preocupação climática."

Legenda da foto,

Os aneis olímpicos, formados por árvores

Comparando a ocasião com a abertura dos Jogos de Londres, a reportagem disse que, "enquanto Danny Boyle (o diretor da cerimônia britânica) marcou o início dos Jogos de Londres 2012 com aneis de fogo, os aneis cariocas formaram árvores, para refletir o tema ambiental que marcou a cerimônia".

Ao mesmo tempo, o Guardian notou que "o clima político do país nunca esteve muito abaixo da superfície, muito menos quando o presidente interino, Michel Temer, foi ruidosamente vaiado ao declarar os Jogos abertos".

Aplausos e vaia

O francês Le Monde também notou o contraste entre os "atletas aplaudidos e um presidente vaiado".

"De repente", disse o jornal, em meio a uma atmosfera vibrande e festiva, "os males do Brasil invadiram o Maracanã".

Já a versão online do Financial Times disse que o Rio "brindou o mundo com um espetáculo elaborado sobre a rica cultura brasileira, da bossa nova ao funk".

Porém, a intriga política nunca esteve distante.

"A animada, mas relativamente barata cerimônia de abertura permitiu aos brasileiros esquecer um pouco o duro cenário dos Jogos."