Com partidas suspensas, torcedores ficam ‘presos’ em arena sem jogos

Ricardo e Mariana Massini (à dir.), ficaram o dia inteiro sem assistir a nenhuma partida
Image caption Ricardo e Mariana Massini (à dir.), ficaram o dia inteiro sem assistir a nenhuma partida

A chuva desta quarta-feira não surpreendeu o casal santista Ricardo Massini, de 30 anos, e Mariana Massini, de 26 anos, que foi ao Parque Olímpico pela primeira e única vez. Mas eles não esperavam ficar parte do dia presos dentro de uma das arenas de tênis… sem assistir a nenhuma partida.

"Chegamos às 11 da manhã e já estava chuviscando, os jogos atrasaram e eles ficaram postergando, sem dar informação. A gente não podia sair da arena senão perderíamos os ingressos, sem direito a reembolso. Então tivemos que ficar lá até as 15h, quando confirmaram o cancelamento dos jogos da manhã e da tarde", contou ela à BBC Brasil.

No total, 21 das 26 partidas programadas para esta quarta foram canceladas, incluindo as dos ídolos Rafael Nadal, Andy Murray e Venus Williams.

"A todo o tempo pedíamos uma posição, perguntávamos se podíamos sair para comer e eles não respondiam", afirmou Massini.

Pelas regras do Parque Olímpico, pessoas que já entraram nas arenas não podem sair e voltar - e a quadra é aberta, o que significa que o casal ficou na chuva durante esse período.

"Eu já trouxe capa de casa porque sabia que poderia chover. E foi bom que trouxe uns salgadinhos na mochila também. Lá dentro só tinha uma lanchonete e quando chegamos, de manhã, já não tinha nem pipoca, só bebida", disse Mariana.

A falta de comida em algumas arenas tem provocado reclamações de torcedores desde os primeiros dias de competição.

"Era nosso primeiro e único dia no parque, só compramos ingresso para hoje. Se não conseguirmos assistir hoje, não conseguimos mais. Os ingressos do tênis para os outros dias estão esgotados", lamentou ela.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Desde os primeiros dias da competição, filas provocaram reclamações dos torcedores

'Não queremos reembolso'

O bombeiro militar carioca Luiz Felipe Oliveira de Souza, de 27 anos, era um dos mais inconformadoscom a situação.

"Soubemos inicialmente que teremos o retorno monetário, mas essa não é a questão. Se eu pudesse trocar esses mesmos R$ 90 que gastei inicialmente por poder voltar amanhã eu trocaria facilmente. A gente veio ver tênis, não quer reembolso", afirmou.

"É uma oportunidade única, porque o Brasil não tem torneios de tênis importantes, que valham tanto a pena."

Souza, que havia ido ao Parque Olímpico no dia anterior, diz ter gostado da organização. "Até agora estava tranquilo", afirma.

Mudança

O Comitê Rio 2016 disse lamentar que os torcedores tenham tido que permanecer na arena, mas afirmou que dependia da decisão da Federação Internacional de Tênis sobre as partidas serem suspensas ou não. A intenção, informou, era tentar manter a programação do dia o máximo possível.

Sobre os ingressos, o comitê afirmou inicialmente à BBC Brasil que todas as pessoas que tinham entradas para as partidas desta quarta poderiam assisti-las amanhã - ou seja, sem precisar comprar novas, uma informação diferente do que os torcedores ouviram no Parque Olímpico.

Horas depois da publicação desta reportagem, no entanto, o Rio 2016 mudou sua explicação e afirmou, por e-mail, que a única possibilidade para os espectadores da quarta era o reembolso do ingresso.

O comitê disse que que as partidas de quarta-feira foram transferidas para dentro das sessões da quinta e que, como estas já tinham ingressos esgotados, não poderiam receber também os espectadores do dia anterior.

*Esta reportagem foi atualizada às 12:25 da quinta-feira, dia 11 de agosto de 2016, para incluir a mudança na resposta do Rio 2016.

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas