'Em países sérios, não dá para mentir para a polícia e escapar', diz analista americano

Os nadadores Jack Conger e Gunnar Bentz prestaram depoimento sobre o caso nesta quinta Direito de imagem Reuters
Image caption Os nadadores Jack Conger e Gunnar Bentz prestaram depoimento sobre o caso nesta quinta

O caso dos nadadores americanos cujo relato de assalto foi posto em xeque nos últimos dias deixará uma lição sobre as instituições brasileiras: "em países sérios, você não pode mentir para polícia e escapar com isso", opina Brian Winter, especialista em América Latina do centro de pesquisas Council of the Americas, em Washington.

Em entrevista à BBC Brasil, Winter, que morou cinco anos no país, usou a expressão em português "vai acabar em pizza" para falar das outras consequências do episódio. Ele diz que o imbróglio será esquecido em alguns dias e não haverá grandes efeitos legais ou diplomáticos mas, antes, é crucial que os fatos sejam revelados.

"Daqui a 24 horas, todos vão dizer, 'ah, foram só jovens na rua às cinco da manhã, depois de uma balada no Rio'. Tudo bem, mas esta etapa em que estamos agora, de descobrir a verdade vergonhosa, é importante para a imagem do país no exterior."

O analista se refere ao vídeo, divulgado na manhã desta quinta-feira, em que os atletas Ryan Lochte, James Felgen, Gunnar Bentz e Jack Conger - que disseram ter sido assaltados no domingo - aparecem causando confusão em um posto de gasolina.

A gravação é mais um furo na narrativa de Lochte sobre o assalto, que foi considerada fantasiosa pela polícia. Em entrevista coletiva na tarde de quinta-feira, Fernando Veloso, chefe da Polícia Civil do RJ, afirmou que um dos nadadores teria confirmado em depoimento que o roubo não aconteceu da forma como foi contado inicialmente.

Direito de imagem Divulgacao
Image caption Analista americano Brian Winter diz que caso será esquecido em breve

Para Winter, a atuação das autoridades brasileiras no caso, inclusive impedindo a saída de dois dos nadadores do país, foi adequada e necessária para a investigação. Na quarta-feira, Bentz e Conger foram retirados de um avião no aeroporto do Galeão, quando estavam prestes a viajar para os Estados Unidos.

"Ouvi algumas pessoas dizerem 'ah, isso mostra que as autoridades são agressivas'", prossegue Winter. "Mas é um caso clássico dos 'dois pesos e duas medidas' que os americanos têm para a América Latina. Em países sérios, você não pode mentir para a polícia e achar que vai escapar com isso. É crime."

De acordo com o americano, o caso é mais uma prova da força das instituições do país, o que seria visível nas recentes operações de combate à corrupção.

"Olhe isso no contexto do que aconteceu nos últimos três anos no Brasil. Tudo disse respeito a instituições legais fortes, como na Lava Jato. Este é outro caso de instituições brasileiras trabalhando como deveriam."

Agindo dessa forma, opina o analista, o Brasil deixa uma mensagem aos americanos.

"Sei, pela minha experiência, que o Brasil é um país com instituições policiais sólidas, onde você não pode fazer isso. Parece que agora eles sabem também."

Direito de imagem Reuters
Image caption Vídeo dos nadadores fazendo confusão em posto de gasolina foi divulgado nesta quinta

'Velho-oeste'

Segundo o especialista, é essencial esclarecer o relato antes de "tudo ser perdoado", porque ele teria prejudicado a imagem do Brasil no exterior, fortalecendo a ideia de que o Rio é um grande "velho-oeste".

"(O relato de roubo) esteve na capa de um grande jornal em Nova York, está em todos os programas televisivos matinais, nos noticiários. E reforça essa imagem que muitas pessoas já tinham do Rio como o velho-este. É por isso que a verdade é tão importante."

O analista diz que a revolta dos brasileiros nessas circunstâncias é compreensível, porque o fato de os atletas acreditarem que podem - pelos indícios apresentados até agora - criar uma história "extremamente ridícula" e "repeti-la em frente a milhões de pessoas" sem punição é "ofensivo para os anfitriões".

Frente aos novos desdobramentos, o sentimento da maioria dos americanos é de vergonha, afirma Winter.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Lochte foi o pivô do episódio, ao falar com a mídia americana sobre o suposto assalto

Segundo ele, até os veículos de imprensa que inicialmente adotavam um tom de defesa dos nadadores devem mudar sua cobertura com a divulgação do vídeo do posto de gasolina.

"Como um americano que viveu na América Latina por dez anos, fico envergonhado quando os homens do meu país viajam para a região e se comportam assim. Agora quero ouvir o que eles têm a dizer. Se ficar provado que tudo foi inventado, os americanos devem aos brasileiros um pedido de desculpas", opina.

"Todos (Comitê Olímpico dos Estados Unidos e o governo americano) vão ter que falar algo e vai ser vergonhoso. Mas, uma vez que a verdade for dita, vai acabar em pizza."

Tópicos relacionados