PIB brasileiro segue em queda, mas retomada econômica pode vir antes do previsto, diz OCDE

Fábrica de carros Direito de imagem FIEP
Image caption Melhora no curto prazo de indicadores como taxa de investimentos e produção industrial 'são bom sinal'

A diminuição das incertezas no cenário político brasileiro e o desempenho positivo de alguns indicadores econômicos levaram a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) a melhorar suas previsões em relação à economia do Brasil.

Um estudo divulgado nesta quarta-feira pela organização prevê que o PIB brasileiro cairá 3,3% neste ano. Em junho, a estimativa era que a retração seria mais acentuada, de 4,3%.

Para 2017, a previsão é que a economia terá queda de 0,3%, em vez do 1,7% estimado em junho.

O relatório Perspectivas Econômicas Intermediárias antecede o estudo mais completo realizado semestralmente com previsões para a economia mundial.

Jens Arnold, economista da OCDE responsável pelas análises sobre o país, disse à BBC Brasil que a melhora de alguns indicadores de curto prazo, como o crescimento dos investimentos e da produção industrial, "são sinais de que talvez a retomada da economia brasileira ocorra um pouco mais cedo do que pensávamos".

Direito de imagem AP
Image caption Definição do governo reduziu incertezas, diz economista da OCDE

A taxa de investimentos (também chamada de formação bruta de capital fixo) voltou a crescer no segundo trimestre deste ano, após mais de dois anos seguidos em queda. A produção industrial também teve desempenho positivo no mesmo período.

Para o economista alemão da OCDE, a definição do presidente que governará o Brasil até 2018 diminuiu as incertezas políticas, o que "é bom para os investimentos e para a economia em geral".

No estudo em junho, a OCDE havia afirmado que a "recessão profunda" no Brasil continuaria neste ano e no próximo "em um contexto de grande incerteza política", que também reduz a probabilidade de aceleração das reformas.

Novo governo

Na opinião do economista, muitas das medidas anunciadas pelo governo do presidente Michel Temer "vão na direção certa" e correspondem a recomendações feitas pela OCDE no passado. Ele cita o exemplo da reforma da Previdência, em estudo.

"É muito importante o Brasil avançar nessa questão. O sistema previdenciário não será sustentável no futuro com os parâmetros atuais", diz, acrescentando ser necessário elevar a idade da aposentadoria no Brasil. "Os brasileiros se aposentam muito cedo em comparação com outros países."

O economista ressalta que ainda é cedo, no entanto, "para saber até que ponto vai ser possível gerar consenso político mais amplo para aprovar as medidas".

A OCDE também recomenda rever os mecanismos de indexação da aposentadoria mínima e outros benefícios sociais atrelados ao salario mínimo, por considerar que "não é um bom indexador para os benefícios sociais".

Para a OCDE, o Brasil deve aumentar os gastos com o Bolsa Família e não reduzi-los.

Dez sinais de câncer frequentemente ignorados

Direito de imagem ABR
Image caption Organização diz que sistema da Previdência não será sustentável no futuro

"Seria importante o Brasil redirecionar os recursos dos benefícios sociais e se concentrar nos benefícios que têm grande impacto sobre a redução da pobreza e da desigualdade, como o Bolsa Família", afirma Arnold.

Arnold diz ainda que a perspectiva em relação à inflação também é mais favorável do que há alguns meses. "A inflação deve continuar a trajetória de queda e se aproximar da meta, o que provavelmente poderá abrir espaço para a redução da taxa básica de juros."

Ele também prevê que, em 2017, poderá haver crescimento econômico de um trimestre para outro no Brasil, embora o PIB anual ainda deva fechar em queda de 0,3%, como afirma o estudo divulgado nesta quarta.

A economia mundial deverá crescer um pouco menos neste ano: 2,9%. Em 2015, o índice foi de 3,1%. A organização revisou levemente para baixo suas previsões de junho, quando havia estimado um crescimento de 3%.

Em 2017, a expectativa é de crescimento de 3,2%, menor do que os 3,3% do relatório de junho.

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas