FMI piora previsão de desemprego no Brasil em 2017 apesar de expansão

Diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde; para instituição, economia brasileira deve continuar piorando Direito de imagem Stephen Jaffe/ IMF
Image caption Diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde; para instituição, economia brasileira deve continuar piorando

O Fundo Monetário Internacional (FMI) reviu para pior suas previsões para o emprego no Brasil neste ano e no próximo, apesar de acreditar que a economia brasileira passará por uma melhora nos próximos meses.

Em relatório sobre o cenário da economia global divulgado nesta terça-feira, o órgão diz que o Brasil deve fechar 2016 com 11,2% de desempregados - um ponto percentual acima do que o FMI havia previsto em abril.

Hoje, o desemprego está em 11,8%, segundo índice divulgado no fim de setembro pelo IBGE.

Para 2017, o Fundo acredita que o desemprego no país será de 11,5% - previsão 1,3 ponto acima da previsão anterior.

Direito de imagem Camila Domingues/ Palácio Piratini
Image caption Para FMI, desemprego continuará crescendo no país até 2017

Ainda no relatório, o FMI deixou inalteradas as suas previsões de crescimento para o país. Neste ano, a previsão é de retração de 3,3% (em 2015, a queda foi de 3,8%).

Porém, o documento diz que a economia brasileira passou a contrair num ritmo mais moderado e estima que o PIB (Produto Interno Bruto, a soma de todas as riquezas produzidas no país) crescerá 0,5% em 2017.

'Fundo do poço'

O órgão diz que o Brasil "continua a enfrentar condições macroeconômicas desafiadoras", mas que o cenário futuro está um pouco mais favorável que o projetado no início do ano.

Segundo o fundo, a inflação segue acima dos padrões de tolerância do Banco Central e a "credibilidade política foi fortemente prejudicada pelos eventos que levaram à mudança de regime" no Palácio do Planalto.

Apesar disso, de acordo com o FMI, a confiança na economia brasileira parece já ter atingido "o fundo do poço", o que abriria o caminho para o início da recuperação.

Direito de imagem Carolina Antunes/PR
Image caption Temer e parlamentares discutem PEC que estabelece teto para gastos públicos; FMI defende proposta

O órgão voltou a defender que o Brasil adote a proposta do governo Michel Temer de limitar o aumento de gastos do Orçamento à variação da inflação, o que "enviaria um forte sinal do compromisso político" com o controle da dívida pública.

Uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que trata do tema deve ser apreciada pelo Congresso nas próximas semanas. Críticos afirmam que a medida pioraria os serviços públicos e, na prática, reduziria os investimentos em áreas como saúde e educação, já que adotará como base o Orçamento de 2016, ano de fraca arrecadação.

O FMI defende ainda no relatório que o governo simplifique o sistema tributário, reduza as barreiras ao comércio e estimule investimentos em infraestrutura para reduzir o custo de fazer negócios no país.

Maior protecionismo

Na introdução do relatório, o conselheiro do fundo Maurice Obstfeld afirma que algumas preocupações que havia em relação à economia mundial no ano passado perderam força.

Ele diz que, em 2015, temiam-se os impactos globais da redução do crescimento da China, as dificuldades vividas por exportadores de matérias-primas (caso do Brasil) e os efeitos de um aumento de juros pelo Banco Central dos EUA, o Federal Reserve.

Obstfeld diz, no entanto, que o crescimento estável da economia mundial reduziu as preocupações de curto prazo em relação à China, que os preços de matérias-primas se recuperaram parcialmente e que o primeiro aumento de juros do Federal Reserve já ocorreu sem produzir grandes impactos.

Direito de imagem Reuters
Image caption FMI cita tensão causada pelo "Brexit" como um dos novos problemas para a economia global

Por outro lado, o conselheiro cita novos problemas para a economia global, entre os quais as tensões políticas geradas pelo "Brexit" (saída do Reino Unido da União Europeia), a crise de refugiados e a retórica anti-imigrantes e anti-comércio na campanha presidencial nos EUA.

Segundo ele, medidas comerciais protecionistas têm crescido ao redor do mundo, o que ele considera preocupante para países como o Brasil.

"Um ambiente global hostil ao comércio tornará impossível que exportadores de matérias-primas e países de baixa renda em geral desenvolvam novos modelos de exportação e gradualmente reduzam as diferenças de renda em relação a países ricos", afirma.

"Em resumo, voltar o relógio em relação ao comércio só pode aprofundar e prolongar a atual estagnação da economia global."

Tópicos relacionados