Por que o filho dos 'pais do punk' queimou mais de R$ 21 milhões em objetos de herança

Bonecos pegam fogo Direito de imagem Getty Images
Image caption Bonecos são queimados em protesto contra comemoração de álbum do Sex Pistols

O punk não é nostálgico!, gritou o homem a partir de um barco no meio do rio Tâmisa, em Londres, antes de atear fogo a uma série de discos, cartazes, roupas e outros objetos relacionados ao movimento musical e cultural influente do final dos anos 1970.

Era Joe Corre, filho do representante da banda Sex Pistols, Malcolm McLaren, e da revolucionária estilista Vivienne Westwood, gurus e promotores do punk no Reino Unido.

A queima de uma coleção avaliada em US$ 6,25 milhões (o equivalente a R$ 21,25 milhões) foi um protesto contra as comemorações previstas para os próximos meses para marcar o 40º aniversário do lançamento do álbum Anarchy in the UK (Anarquia no Reino Unido) do Sex Pistols, com o qual nasceu o movimento.

Gritos e cuspes

O punk entrou em cena na década de 1970, com ritmos violentos tocados por músicos agressivos, vestidos com roupas rasgadas, tatuagens e piercings na boca e sobrancelhas, cantando entre gritos e cuspidas.

Direito de imagem Getty Images
Image caption A música dos Sex Pistols gerou toda uma subcultura a partir do Reino Unido

Grupos como The Clash, The Damned, Buzzcocks, Discharge, Penetration, The Stranglers e muitos outros com nomes alusivos ao caos, à subversão e à desordem social, em comparação, fazia os roqueiros anteriores serem vistos como avôs fofos.

Esse estilo musical gerou uma subcultura rebelde contra todas as instituições e costumes estabelecidos na sociedade britânica, o que influenciou uma geração de não-conformistas que adotaram uma postura niilista perante a vida.

O slogan do Sex Pistols era "Não há futuro".

Extinção

Assim como não há futuro, para Joe Corre também não há passado. "O punk nunca pretendeu ser nostálgico!", expressou à medida que ateava fogo à sua coleção de memórias punk.

Bonecos do ex-primeiro ministro britânico David Cameron, seu ministro da Economia George Osborne e do atual ministro de Relações Exteriores, Boris Johnson, também foram envoltos em chamas no barco como parte do protesto na altura do bairro de Chelsea, oeste de Londres.

O lado do barco tinha um cartaz que dizia: "A extinção! Seu futuro", fazendo claro eco ao slogan do punk.

Direito de imagem PA
Image caption Joe Corre havia anunciado no início do ano que iria queimar sua coleção de memórias punk

Corre, de 48 anos, fundador da uma empresa de lingerie de luxo, tem sido crítico aos planos de comemorar 40 anos da subcultura.

Os planos incluem eventos, shows e exposições ao longo de vários meses, patrocinado por várias organizações, incluindo a Prefeitura de Londres, a Biblioteca Britânica e o Instituto Britânico de Cinema.

"Você não pode aprender a ser (um punk) em um workshop no Museu de Londres", disse Corre no centro do Rio Tâmisa.

"O punk tem se tornado mais uma ferramenta de marketing para vender algo que você não precisa", acrescentou.

"A ilusão de uma opção alternativa. A conformidade vestida em outro uniforme."

O álbum inaugural do Sex Pistols, Anarchy in the UK, foi lançado em 26 de novembro de 1976, quatro décadas atrás.

Direito de imagem Getty Images
Image caption Como prometido, Corre queimou toda a sua coleção punk durante protesto

O grupo original era composto pelo vocalista Johnny Rotten, o guitarrista Steve Jones, o baterista Paul Cook e o baixista Glen Matlock. Este último foi substituído por Sid Vicious em 1977.

Matlock criticou o protesto de Corre, chamando-o de "tonto" em uma entrevista com o canal de notícias Sky News.

Ele atacou o "antimessianismo" de Corre, por sua suposta concordância com a atitude punk, dizendo: "Eu não acho que Joe seja o Anticristo. Eu acho que é um tonto".

Direito de imagem AP
Image caption Matlock criticou o protesto de Corre, chamando-o de "tonto" em uma entrevista com o canal de notícias Sky News

No entanto, a mãe de Corre, a famosa designer Vivienne Westwood, apoiou as ações de seu filho.

Ela aproveitou a oportunidade para dirigir-se à multidão e pedir para que façam uma mudança para a energia verde.

Colocando sua cabeça para fora da janela traseira de um ônibus de dois andares, estacionado na margem do rio, ela disse: "Este é o primeiro passo para um mundo livre. É a coisa mais importante que poderia fazer em sua vida."

Vários caminhões e um barco do Corpo de Bombeiros, assim como carros da polícia estavam preparados para atuar durante o protesto.

Direito de imagem Reuters
Image caption A estilista Vivienne Westwood, mãe de Corre, apoiou o protesto do filho e endossou causa por energias 'verdes'

Notícias relacionadas