'Me aposento em seis meses' - brasileiros largam emprego e faculdade para se dedicar ao bitcoin

Bitcoin Direito de imagem Getty Images
Image caption Hipervalorização de bitcoins atraiu investidores

Leandro (nome fictício), de 26 anos, passava parte de seus dias organizando processos em um escritório de advocacia. A rotina incluía visitas frequentes ao fórum para consulta à papelada empoeirada. Há dez meses, surpreendeu o chefe e os colegas quando pediu demissão do estágio para se dedicar ao investimento em bitcoins - a criptomoeda que têm chamado a atenção do mundo pela hipervalorização. À época, foi tratado como louco. "Me aposento financeiramente em seis meses", diz ele, hoje.

O rapaz, que pediu para ter o nome preservado por questões de segurança, se tornou um corretor de moedas criptografadas. Ele conta que, ao longo de quase dois anos, investiu todo o salário que ganhava como estagiário - de R$ 500 a R$ 600 por mês.

Desde então, a moeda criptografada valorizou mais de 3.500%.

"Na época, eu conseguia comprar uma quantia razoável de moedas, já que o valor estava bem mais baixo. Depois, amigos apareceram querendo comprar e eu vi que era possível ganhar dinheiro com aquilo. Um corretor me apadrinhou e depois eu me tornei sócio dele. Hoje, ele se aposentou e eu sigo carreira solo", disse o rapaz, em entrevista à BBC Brasil.

Leandro trabalha das 8h às 17h dentro de seu quarto e está no último ano da faculdade de direito. Ele não pretende trabalhar no setor, mas quer terminar o curso e se especializar na área tributária "para ter um plano B".

"Eu tenho uma boa quantia em moedas criptografadas, mas também tenho uma boa quantia em real. Contratei nesta semana um amigo para trabalhar comigo e, em breve, vou alugar uma sala comercial para dividí-la com outro corretor e quatro investidores de bitcoin", conta Leandro.

Controverso, em 2017, o bitcoin se transformou em um dos investimentos mais rentáveis. Em meio a oscilações bruscas, cada moeda chegou a valer mais de US$ 18,5 mil (R$ 69 mil) - um aumento significativo, já que o câmbio no início do ano era de 1 bitcoin para US$ 1 mil.

A valorização astronômica e a facilidade para fazer transações com as criptomoedas, se comparado ao mercado financeiro tradicional, tem causado furor e atraído muitos jovens. Além de abandonar seus empregos, parte deles também largam a faculdade.

Image caption Há dez meses, jovem largou estágio para se dedicar integralmente ao bitcoin e hoje já fala em se aposentar em seis meses

Em 2016, Marília, de 26 anos, completou o primeiro dos três anos da faculdade de cinema, que fazia na Austrália. No fim daquele mesmo ano, ela conheceu o namorado, um britânico de 30 anos, que trabalhava como eletricista. Em poucos meses, ambos passaram a comprar bitcoin - ela abandonou a faculdade, ele pediu demissão e deixou de atuar com construção civil. Seu ganho foi repentino e muito mais lucrativo que qualquer trabalho.

"Ele me ajudou a abrir uma conta. Comprei US$ 100 quando cada moeda valia menos de US$ 500. Depois de duas transações, eu já tinha dobrado a quantia", conta Marilia.

Meses depois, o britânico, que prefere permanecer anônimo, precisou deixar a Austrália. Sua namorada não pensou duas vezes em acompanhá-lo e viver do lucro com bitcoin.

Hoje, eles se dividem entre a casa dele em Londres, na Inglaterra, e a da família dela, em Campinas, interior paulista. Tudo bancado pelo rendimento nas moedas criptografadas. "Isso acabou nos dando liberdade", conta Marília.

Para se proteger das oscilações no valor das criptomoedas, eles mensalmente convertem parte do estoque que têm de bitcoin em libras ou dólar. E se organizam de modo a aproveitar a volatilidade: fazem transações diárias de compra e venda. Quando as moedas caem, compram. Revendem na alta, assim como fazem investidores em ações na Bolsa de Valores.

Bitcoin e o efeito Pokémon Go

Nas últimas semanas, o bitcoin têm se mantido entre os assuntos mais comentados nas redes sociais e tema frequente de reportagens. Isso tornou o investimento na moeda criptografada ainda mais popular e causou uma valorização repentina devido ao grande volume de compras e ao aumento da procura. No dia 23 de novembro, cada bitcoin era negociado a R$ 29.300. Nesta segunda, menos de um mês depois, a criptomoeda já custava R$ 69 mil.

Um reflexo dessa corrida pelo ouro virtual é o efeito Pokémon Go causado nas ruas de grandes metrópoles. Assim como o jogo de captura de monstros reunia centenas de jovens em pontos de batalha na rua, os day traders - como são chamadas os investidores ativos diariamente - passaram a usar o horário de almoço e caminhadas até o ponto de ônibus para negociar a moeda.

A reportagem da BBC Brasil identificou pessoas nas ruas de São Paulo e no metrô negociando a moeda criptografada em voz alta.

Image caption Gráfico mostra valorização do bitcoin apenas no último ano

O professor de finanças do Insper Ricardo Rocha diz que investir em criptomoedas é altamente arriscado. Para o pequeno investidor, não vale a pena tratar esse tipo de investimento como a principal aplicação ou como o depositário das reservas de segurança da família.

"O ideal é investir apenas um valor que, caso você perca, não afete sua vida, aquela quantia que não vai te fazer falta. Ninguém deve, por exemplo, vender seu patrimônio para comprar bitcoin", afirma Rocha.

Ele diz ainda que a alta valorização das criptomoedas nos últimos anos não garante que isso se manterá. "Retorno passado não é garantia de retorno futuro. E não há histórico para comparar, então é preciso considerar a possibilidade de perda total", explica o economista.

Para Rocha, o ideal é diversificar investimentos. Para quem já se aventurou com as criptomoedas, o ideal é realizar parte do lucro: converter algum percentual do rendimento e reinvesti-lo em outras modalidades, como títulos do tesouro direto, renda fixa, poupança, ações e até mesmo outra moeda criptografada.

O que dizem o Banco Central e a Receita Federal

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, disse na última quarta-feira (13) que há o risco das moedas virtuais serem "uma bolha" ou um "esquema de pirâmide", que pode resultar numa desvalorização repentina. "Não é algo que a gente deva dar suporte", afirmou.

O professor do Insper, porém, ressalta que o ideal é tentar entender as moedas criptografadas em vez de ignorá-las, como têm feito parte dos investidores mais conservadores.

Image caption Economista Ricardo Rocha acredita que não se deve ignorar o fenômeno das criptomoedas

"Muita gente nega sua existência (bitcoins) no Brasil, até o Banco Central, mas a Receita Federal reconhece a criptomoeda (ela deve ser declarada no Imposto de Renda). O Japão já autoriza seus cidadãos a usarem o bitcoin e isso pode ser um sinal. A resistência ao novo por alguns economistas mais conservadores é extraordinária, mas eu vou na contramão e tento entender o novo", afirmou Ricardo Rocha.

Alguns economistas reforçam o discurso do Banco Central e dizem que as bitcoins formam uma clássica bolha especulativa: investidores eufóricos pagando por um ativo muito mais do que ele vale, apenas por medo de ficar de fora da onda. Eles colocam o entusiasmo com o bitcoin na mesma categoria da bolha da Internet do ano 2000 ou da bolha no mercado imobiliário americano que levou à crise de 2008.

Outros afirmam que o crescimento é resultado da passagem do Bitcoin para mercado financeiro tradicional - como, por exemplo, sua entrada no Mercado Futuro de Washington. Um consenso entre estudiosos é que só o futuro poderá dizer a real relevância das moedas criptografadas.

Para Leandro, Marilia e o namorado, no entanto, a moeda criptografada já é o presente. E, se algo der muito errado com as moedas virtuais nos próximos meses, esperam já ter ganhado dinheiro o bastante para não ter que se preocupar com o futuro.

Notícias relacionadas