Atropelamento na praia de Copacabana atinge pelo menos 15 pessoas e mata bebê de oito meses

Carro que perdeu o controle e atropelou 15 pessoas em Copacabana Direito de imagem Reuters
Image caption Incidente em Copacabana aconteceu por volta de 20:30

Um motorista com um carro desgovernado invadiu o calçadão da praia de Copacabana na noite desta quinta-feira, matando ao menos uma pessoa, um bebê de apenas oito meses, e atingindo ao menos outras 15, de acordo com a Polícia Militar.

O veículo atravessou a calçada da praia e foi parar ao invadir a areia, parando ao lado de um quiosque, por volta das 20:30 - em uma noite de verão com o calçadão lotado após temperaturas que chegaram a 45 graus durante o dia.

As vítimas foram socorridas no local, inicialmente recebendo atendimento estiradas sobre o calçadão.

De acordo com a Polícia Militar, o motorista foi detido e levado para a 12ª Delegacia de Polícia em Copacabana. Ele alegou que perdeu o controle do carro devido a um ataque epiléptico. Peritos encontraram medicamentos para epilepsia dentro do veículo.

Pouco após o acidente, o pai do bebê que morreu falou com jornalistas e criticou que uma pessoa com epilepsia estivesse dirigindo um carro.

"Não era para ter carteira de motorista nem para estar na rua. Ele é um assassino. Matou minha filha", disse à TV Globo. "Como é que eu vou ficar agora?"

O pai da criança disse que estava trabalhando quando o acidente aconteceu e que sua esposa estava passeando no calçadão com a menina de oito meses no carrinho de bebê.

"Aí ele veio atropelando todo mundo", relatou.

Direito de imagem EPA
Image caption Vítimas de atropelamento foram levadas para os hospitais Souza Aguiar, no Centro, e Miguel Couto, na Gávea

Polícia refuta atentado terrorista

Em uma nota no Twitter, a polícia esclareceu que o fato não foi um atentado terrorista, mas sim "um grave acidente, onde o motorista perdeu o controle do veículo e acabou atingindo cerca de 15 pessoas que estavam no calçadão da praia". Testemunhas afirmaram que o trânsito na via era intenso na hora do acidente.

As vítimas foram levadas para os hospitais Souza Aguiar, no Centro, e Miguel Couto, na Gávea. No fim da noite, o prefeito Marcelo Crivella chegou ao Hospital Municipal Miguel Couto para acompanhar o atendimento aos feridos. De acordo com a Prefeitura, todas as equipes do município estão mobilizadas "para atender às vítimas da tragédia em Copacabana".

Direito de imagem EPA
Image caption Motorista foi detido e alegou ter pedido controle do carro devido a ataque epiléptico

"Quero prestar minhas condolências e confortar as famílias de todas as vítimas nesse momento tão difícil. Agradeço às equipes de resgate por todo esforço e serviço prestado. Que possamos estar todos unidos em oração", disse Crivella por meio de sua página oficial no Facebook.

No Twitter da Prefeitura, o diretor geral do Hospital Miguel Couto, Cristiano Chame, afirmou que uma das vítimas estava em estado grave, com traumatismo crânio-encefálico, e outra estava prestes a ser operada, apresentando fratura exposta. As demais vítimas levadas ao hospital, segundo o diretor, estavam "sem gravidade maior".

Notícias relacionadas