'Bota fogo!': o ataque de brasileiros a imigrantes venezuelanos em Pacaraima
A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

'Bota fogo!': o ataque de brasileiros a imigrantes venezuelanos em Pacaraima

Imagens mostram pessoas incendiando barracas e pertences de venezuelanos em Pacaraima, cidade brasileira perto da fronteira com a Venezuela. Gritam "bota fogo!". Alguns carregam paus e pedras.

Conflitos marcaram o fim de semana em Pacaraima, cidade brasileira na fronteira com a Venezuela que enfrenta uma crise sem proporções desde que começou a receber milhares de venezuelanos de forma intensificada desde 2016.

Segundo a força-tarefa que reúne autoridades brasileiras na região, na noite de sexta-feira, um comerciante da cidade, Raimundo Nonato de Oliveira, foi assaltado e atingido com um golpe na cabeça por imigrantes venezuelanos, o que motivou, no dia seguinte, protestos violentos na cidade. No sábado, brasileiros agrediram e incendiaram acampamentos de refugiados.

Grupos de homens carregando pedras e paus incendiaram tendas, mochilas e artigos pertencentes a venezuelanos. Cerca de 1,2 mil imigrantes fugiram para o outro lado da fronteira.

"Foi terrível, queimaram barracas e tudo o que havia dentro" disse a venezuelana Carol Marcano à agência de notícias AFP. Ela trabalha em Boa Vista e estava na fronteira voltando ao seu país.

Tanto ela como outras pessoas se refugiaram em um recinto do controle fronteiriço no lado venezuelano.

No domingo, um morador de Pacaraima disse à agência de notícias AFP que "a cidade parecia deserta, está muito silencioso porque chegaram reforços policiais e o comércio voltou a abrir".

Segundo a agência Reuters, a secretária de Segurança de Roraima, Giuliana Castro, disse que, após retornarem a território venezuelano, imigrantes "atacaram um grupo de 30 brasileiros que estavam fazendo compras do outro lado da fronteira e que tiveram de ser levados a um refúgio".

O jornal O Globo disse que autoridades em Pacaraima estão investigando os distúrbios. Segundo a Folha de S.Paulo, o Exército repudiou "os atos de vandalismo e violência contra qualquer cidadão, independente de sua nacionalidade".

No sábado, a chancelaria da Venezuela emitiu um comunicado "preocupação com as informações que confirmam ataques a imigrantes venezuelanos, assim como desalojamentos em massa", atos que "violentam normas do Direito Internacional".

Tópicos relacionados