Suspeito de ataque a Bolsonaro foi preso por PM de folga e à paisana que acompanhava comício, diz BO

O suspeito do ataque a Bolsonaro, Adélio Bispo de Oliveira Direito de imagem EPA
Image caption Segundo documento, Oliveira disse ter agido 'a mando de Deus'

O suspeito do ataque contra o candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL), Adélio Bispo de Oliveira, foi preso por um policial militar mineiro que estava à paisana. O agente estava de folga quando acompanhava o comício do deputado federal, no centro de Juiz de Fora. As informações são do Boletim de Ocorrência do incidente, e foram repassadas à BBC News Brasil pela sala de Imprensa da PM de Minas Gerais.

O PM responsável pela prisão levou Adélio até um prédio na rua Halfeld e o manteve em preso até a chegada de reforços, diz o B.O, já que os apoiadores de Jair Bolsonaro gritavam "vai morrer, vai morrer!" para Adélio. O nome deste agente que estava de folga não foi divulgado.

"Diante da situação, os militares se deslocaram para o local e se depararam com uma multidão gritando 'vai morrer, vai morrer' para uma pessoa que estava presa. Quando os PMS se aproximaram, foram informados de quem seria o autor, e de que ele estava contido no interior de um edifício da rua Halfeld", diz um trecho do Boletim de Ocorrência.

"No local foi feito contato com vários policiais federais e com um militar da PM que estavam com o autor preso. Precisavam do apoio da PM para condução do autor, pois diversos populares estavam querendo atentar contra a vida do autor", diz o texto.

"Este (o autor) informou que saiu de casa com uma faca de uso pessoal, a fim de acompanhar a comitiva e, no melhor momento, quando o encontrasse, atentar contra a vida do candidato", continua o relato.

'Agiu a mando de Deus'

"No momento que achou oportuno, na rua Batista de Queiroz, atacou. Afirmou ainda que os motivos do intento era pessoais, e sobre os quais (motivos) ele não iria se estender, dizendo também em certo momento que tinha agido a mando de Deus", diz o B.O, segundo lido por um oficial da PM de Minas à BBC News Brasil.

Depois de fazer a prisão, o PM mineiro que estava de folga "recebeu o apoio de um popular que lhe passou uma algema para fazer a detenção do autor. Subiu com o autor (no prédio da rua Halfeld) e fez a busca pessoal (revista) no autor nas escadas do prédio", diz o texto do B.O.

Direito de imagem EPA
Image caption Suspeito de ataque a Bolsonaro foi detido por policial de folga e que acompanhava comício em Juiz de Fora

De acordo com o B.O., o militar responsável pela prisão "solicitou ainda que constasse nesse registro que teve apoio de um outro militar (o nome não foi revelado) que presenciou a ação do autor e quando efetuou a prisão".

"Foi realizada a condução do autor até a delegacia da Polícia Federal de Juiz de Fora, com a sua integridade preservada a partir do momento no qual a PM interviu, sendo que o autor estava com lesões provocadas por populares não identificados, que contiveram o autor no momento do ataque", relataram os PMs responsáveis pelo boletim de ocorrência.

Às 3 da manhã desta sexta, Adelio Bispo foi transferido da delegacia da PF em Juiz de Fora para o Ceresp (Centro de Remanejamento do Sistema Prisional) da cidade.

Notícias relacionadas