Brumadinho: a luta de parentes que tentam reconhecer corpos resgatados após rompimento de barragem

Aline Xavier Direito de imagem Fernanda Odilla/BBC Brasil
Image caption Aline Xavier foi ao IML em busca de informações sobre quatro parentes e uma amiga

A pedagoga e jornalista Aline Aparecida Xavier procura, desde sexta-feira, o irmão, uma prima, dois primos, a mulher de um primo e uma amiga que estavam trabalhando na Mina do Feijão, em Brumadinho (MG), quando a barragem da Vale rompeu.

Até agora, 60 mortes foram confirmadas após o rompimento de três barragens da mineradora na mesma região no início da tarde de sexta-feira. Outras 292 pessoas seguem desaparecidas.

Assim que soube que o mar de lama arrastou o refeitório e parte do prédio da mineradora, ela foi ajudar nas buscas. Temia que os parentes estivessem machucados, sem condições de chamar por socorro, presos na lama.

Caminhou por quatro horas na mata e conseguiu chegar até uma das portarias da mina. "Contrariamos a orientação dos Bombeiros e da Defesa Civil e só fomos porque conhecemos bem a região", diz Aline, que é de Brumadinho. Na busca, localizou apenas a casa de uma conhecida e o cachorro dela.

Neste domingo, Aline foi com a família ao Instituto Médico Legal, em Belo Horizonte, com a foto do irmão e o raio-x dos dentes dele. Levava ainda a foto de outros quatro parentes também desaparecidos. Fez o cadastro fornecendo todos os dados e foi orientada a esperar.

"Me mandaram esperar, a ter paciência, mas queria mesmo era entrar no IML. Quem melhor que um ente querido para reconhecer um corpo?", diz Aline, preocupada com o fato de o irmão não ter nenhuma tatuagem e, por isso, ser difícil identificá-lo caso ele esteja entre os corpos resgatados.

Assim como Aline, muitos parentes de desaparecidos vão ao IML na esperança de poder reconhecer quem já foi resgatado.

Até a tarde de domingo, apenas 16 dos 37 corpos haviam sido identificados, segundo a Polícia Civil de Minas Gerais, que montou uma estrutura com policiais voluntários para cadastrar informações dos desaparecidos para ajudar no reconhecimento dos corpos. ]

Direito de imagem Fernanda Odilla/BBC Brasil
Image caption Uma estrutura foi montada na Academia de Polícia, ao lado do IML, para atender familiares

Laboratório de DNA para identificação

Até às 12h de domingo, a Polícia Civil registrou 492 cadastros de pessoas desaparecidas. Uma estrutura foi montada na Academia de Polícia, ao lado do IML, para atender familiares e registrar informações como nome, número de documentos, fotos, características físicas, uso de prótese, raio-x, tatuagem, marca de nascença. Essas informações serão encaminhadas ao banco de dados do IML para ajudar no reconhecimento dos corpos.

Cerca de 100 policiais voluntários trabalham desde sábado para atender quem vai em busca de informação sobre os desaparecidos na porta do IML. Além do cadastro, oferecem comida, café, suco, refrigerante e atendimento médico e psicológico.

"Trabalhamos em conjunto com a secretaria de Saúde que disponibilizou profissionais capacitados em psicologia e assistência médica para melhor atender os parentes. Além disso, nossos policiais estão preparados para tratar com cuidado os familiares na confecção desse cadastro porque sabemos que essas pessoas são vítimas indiretas da tragédia", explica a delegada Cinara Liberal, chefe da Academia de Polícia, prédio que fica ao lado do IML e onde o cadastro está sendo feito.

A partir de amanhã, diz a delegada, a Polícia Civil vai montar um laboratório emergencial de DNA.

Pais, mães e irmãos de desaparecidos já cadastrados serão chamados para doar material que vai ajudar na identificação das vitimas.

Segundo a polícia, como muitas vítimas foram arrastadas e soterradas pela lama, a leitura de digitais pode não ser possível. Em alguns casos, traumas na face dificulta o reconhecimento e até mesmo a identificação da arcada dentária.

Direito de imagem Fernanda Odilla/BBC Brasil
Image caption Aline Romão foi com a sobrinha e a cunhada para entregar dados do marido Jonis Andrei Nunes, de 48 anos

'Tem que ter esperança'

À procura do marido, Nélia Mary Fonseca também queria entrar no IML. Mas, no fundo, ela diz acreditar que ele pode ser resgatado com vida. "Ainda tenho esperança. Tem que ter. A esperança é a última que morre", diz ela.

O casal tem uma filha de 16 anos que está grávida e ela quer que o pai conheça o bebê que vai nascer.

O marido de Nélia, Adriano Wagner da Cruz Oliveira, de 35 anos, é mecânico terceirizado. Há cinco anos saia todos os dias de Belo Horizonte para ir trabalhar na mina. "Ele não tem medo, gosta muito do trabalho".

'Nem um telefonema da Vale'

Aline Romão também procura o marido Jonis Andrei Nunes, de 48 anos, que há 13 anos trabalha na mina em Brumadinho. Aline conta que ele ligou para ela na sexta-feira, pouco antes do meio-dia. Queria saber como ela estava e avisou que ia almoçar. Desde então, ele não atende.

No sábado, uma sobrinha dela foi ao IML, mas foi orientada a levar fotos e documentos para fazer o cadastro. Aline voltou ao local no domingo para complementar as informações. "Trouxe fotos, porque os documentos dele eu sei de cor", diz Aline.

Ela reclama da falta de apoio da Vale. "Não nos assessora, não dá notícia. Nem um telefona pra gente a Vale deu", lamenta.

"Apoio mesmo só da família e dos amigos", diz Júlia Cristina, sobrinha de Jonis, que acompanhou a tia no IML.

Aline Xavier, que procura o irmão e os primos, também reclama do atendimento da Vale. Diz ter registrado na ouvidoria o desaparecimento do irmão Gustavo Andrie Xavier, de 29 anos, mas que não consegue nenhuma informação da empresa. Mecânico da Vale, ele tinha voltado de férias um dia antes da barragem romper.

"Acordou atrasado na sexta, meu pai falou pra ele não ir trabalhar, mas ele foi assim mesmo", conta.

Aline ainda procura a prima Letícia Mara Anísio Almeida, enfermeira de 28 anos, os primos André Luiz Santos, operador de máquina de 34 anos, e Luciano de Almeida Rocha, de 40 anos.

Além deles, também busca notícias sobre a mulher do primo, Daiana Caroline Silva Santos, de 32 anos, que acabara de voltar de licença maternidade e é mãe do Heitor de 4 meses, e a amiga Lenilda Cardoso, nutricionista da mineradora.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!