Gatos voltam à vida selvagem e ameaçam espécies nativas de Fernando de Noronha

Gato com lagarto na boca Direito de imagem Divulgação
Image caption Gato feral predando uma mabuia, lagarto que só existe em Fernando de Noronha

Eles começaram a ser domesticados há cerca de 10 mil anos e hoje são os animais de estimação mais difundidos e populares do planeta.

Estima-se que existam mais de 600 milhões de gatos vivendo nos ambientes dos humanos. Muita gente se pergunta, no entanto, como o felino se tornou tão popular, já que, diferentemente de outros animais domésticos comuns, não facilita a sobrevivência humana, já que não é usado para trabalho ou segurança, nem fornece leite, carne, lã ou ovos.

Além disso, eles podem transmitir doenças, como a toxoplasmose, e causar desastres ecológicos, dizimando outras espécies quando soltos em ambientes frágeis, como ilhas. É o que está acontecendo em Fernando de Noronha, onde gatos domésticos voltaram a ser selvagens e estão colocando em risco a sobrevivência de aves e répteis.

Atualmente, vivem em Fernando de Noronha mais de 1.300 gatos, para uma população humana de entre 4.500 e 6.000 habitantes - ninguém sabe ao certo.

Direito de imagem ICMBio
Image caption Arquipélago de Fernando de Noronha foi descoberto em 1503 pelo navegador italiano Américo Vespúcio

"Isso representa uma das maiores densidades de gatos já registradas em ambientes insulares em todo o mundo", diz a pesquisadora Tatiana Micheletti, do Instituto Brasileiro para Medicina da Conservação (Tríade), uma associação civil sem fins lucrativos que trabalha para o controle de espécies exóticas na ilha.

"A falta de cuidado por parte dos proprietários, associada ao instinto de autossuficiência, à alta capacidade reprodutiva e à oferta de recursos possibilita a esses animais caçarem espécies endêmicas e ameaçadas."

Problema crescente

Além dos felinos, há outras espécies invasoras em Fernando de Noronha, que também estão causando danos, mas em menor escala. "Da fauna, temos um grande número delas, como, por exemplo, a garça-vaqueira (Bulbucus ibis), o lagarto teiú (Salvator merianae), lagartixas (Hemidactylus mabouia), o sapo-boi (Rhinella jimmi), pererecas (Scinaxsp.), ratos (Rattus rattus e R. norvegicus) e camundongos (Mus musculus)", conta o analista ambiental Ricardo Araújo, do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), coordenador de Pesquisa e Manejo de Exóticas do Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha.

Entre as plantas, a leucena (Leucaena leucocephala), também conhecida como linhaça, é a que causa mais problemas. "Ela é bastante eficiente, resistente e está muito disseminada na ilha", diz Araújo.

"Essa planta compete de forma bastante agressiva com as nativas e, em alguns lugares, como as praias da Área de Proteção Ambiental (APA) de Fernando de Noronha, ela já é predominante. Em outros locais, só encontramos leucenas na vegetação."

Direito de imagem Ricardo Dias/Instituto Tríade
Image caption Ave rabo-de-junco-de-bico-laranja, espécie endêmica de Fernando de Noronha, caçada por gato feral

Mas a espécie invasora que mais preocupa é mesmo o gato. Segundo a pesquisadora Tainah Guimarães, do Centro Nacional de Avaliação da Biodiversidade e de Pesquisa e Conservação do Cerrado (CBC), também do ICMBio, há três tipos deles no arquipélago: domésticos ou domiciliados (aqueles que têm dono e casa); animais errantes ou peridomiciliados (que não possuem donos e vivem nas vilas perto de pousadas e restaurantes, e são alimentados por todos); e os ferais ou asselvajados (sem donos e que vivem na mata, sem interação com humanos).

Esses últimos são a demonstração clara de uma das características da espécie. Mesmo domesticados e convivendo com seres humanos, eles nunca perderam totalmente seus instintos naturais. Se forem soltos na natureza, eles se viram muito bem sem a ajuda das pessoas.

Por isso, há quem diga que ele é o mais selvagem dos animais domésticos e nunca chegou a ser domesticado totalmente. Outros acreditam que foram eles que escolheram os humanos para conviver, e não o contrário.

Seja como for, de acordo com Tainah, os domésticos e os errantes predam diversos lagartos e aves nativas todos os dias. "Algumas pessoas residentes e visitantes não percebem esse impacto, porque são predadores pequenos, mas as populações de animais abatidas o sentem."

"No caso dos ferais, eles vivem e se alimentam basicamente da natureza. Em Fernando de Noronha, estão nas áreas do parque, que são as mais preservadas. Entre suas presas favoritas está a mabuia (Trachelepys atlantica), uma espécie de lagarto endêmica do arquipélago."

Esses gatos também têm colocado em risco a sobrevivências de várias espécies de aves. "Eles causam danos diretos por meio da predação de indivíduos adultos ou filhotes de cinco delas listadas como ameaçadas de extinção", conta Araújo.

Direito de imagem Guilherme Tavares Nunes/UFRGS
Image caption Gato com lagarto mabuia na boca; plano pretende controlar a população de felinos em Fernando de Noronha

"Dessas, duas são terrestres endêmicas do arquipélago, o sebito (Vireo gracilirostris) e a cocoruta (Elaenia ridleyana), e três marinhas, o rabo-de-junco-de-bico-laranja (Phaethon lepturus), o atobá-de-pés-vermelhos (Sula sula) e a noivinha (Gygis alba)."

Aves em perigo

Segundo Araújo, foram observados por pesquisadores do Instituto Tríade, em diferentes ocasiões entre os anos de 2014 e 2016, repetidos ataques de gatos ao rabo-de-junco-de-bico-laranja. Isto principalmente em áreas de nidificação da ave no parque nacional na ilha principal do arquipélago.

"Esse impacto é um agravante significativo ao estado de conservação dessa espécie no Brasil, pois Fernando de Noronha é o principal local de reprodução dela, assim como do atobá-de-pés-vermelhos e da noivinha no Atlântico Sul."

Para a médica veterinária Patrícia Pereira Serafini, do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação das Aves Silvestres (CEMAVE), do ICMBio, não se deve menosprezar esses eventos.

"O impacto de gatos domésticos sobre as aves marinhas em ilhas é um problema mundial e tem sido exaustivamente demonstrado", diz. "Se não for feito nada agora, Fernando de Noronha será o exemplo mais recente de desastre ecológico e extinção de espécies em ilhas causadas por esses felinos, como historicamente já ocorreu em outras 120 ao redor do mundo."

Exemplos desse tipo não faltam. Tatiana, do Instituto Tríade, cita vários deles. "Pesquisadores estimaram que na ilha Marion, pertencente à África do Sul, os gatos mataram mais de 455 mil aves marinhas, por ano, durante a década de 1970", diz.

Direito de imagem ICMBio
Image caption Gato predando mabuia; população da ave trinta-réis-das-rocas foi reduzida a pouco mais de 10% entre as décadas de 1940 e 1990 por conta da predação por felinos na ilha de Ascensão

"No mesmo local, o petrel-mergulhador (Pelecanoides urinatrix) também foi extinto após intensa predação, assim como o mérgulo-sombrio (Ptychoramphus aleuticus), das ilhas Coronados, no México."

Outro exemplo vem da ilha Kerguelen, pertencente à França, onde aproximadamente 1,2 milhão de aves marinhas foram mortas anualmente também na década de 1970.

"Na ilha Ascensão, a população do trinta-réis-das-rocas (Onychoprion fuscatus), que também vive em Fernando de Noronha, foi reduzida a pouco mais de 10% entre as décadas de 1940 e 1990 por conta da predação por gatos", acrescenta.

"Em uma situação extrema, esses felinos levaram o petrel-das-tormentas-de-Guadalupe à extinção global, visto que essa espécie era restrita à ilha Guadalupe, no México."

Plano de controle

Da mesma forma, diz Tatiana, diversas populações de aves chegaram a ser extintas localmente devido à intensa predação por gatos, como a pardela-de-ventre-preto (Puffinus opisthomelas), da ilha Natividade, no México, onde os felinos chegaram a matar mil delas por mês.

"Considerando que Noronha é um hotspot de nidificação para aves endêmicas e marinhas ameaçadas, além de ser o único habitat no mundo onde encontramos o mabuia de Noronha, o impacto do gato pode ser considerado muito grande e uma verdadeira ameaça à conservação da biodiversidade."

Direito de imagem ICMBio
Image caption Estima-se que 1.300 gatos vivam em Fernando de Noronha, onde a população humana alcança entre 4.500 a 6.000 pessoas

Devido à gravidade dos problemas causados pelos gatos, o governo federal, por meio do ICMBio, a Autarquia Territorial Distrito Estadual de Fernando de Noronha, universidades, organizações não governamentais e os ministérios públicos federal e estadual vêm procurando soluções.

Uma delas seria a captura e devolução deles ao continente. O problema é que os felinos de Fernando de Noronha têm uma cepa de toxoplasmose diferente da que os do continente carregam, e os pesquisadores não aconselham a transferência.

A castração e a esterilização dos felinos da ilha é outra solução, que já vem sendo adotada. A dificuldade é que a curto e médio prazo ela não resolve o problema, pois os animais castrados e esterilizados também continuam se alimentando e predando as espécies nativas.

Por isso, foi elaborado o Plano de Ação para o Controle de Gatos na Área de Proteção Ambiental de Fernando de Noronha - Rocas - São Pedro e São Paulo e no Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha.

O objetivo é "reduzir os impactos dos gatos sobre a fauna nativa e o risco de zoonoses [doenças transmitidas por eles] em Fernando de Noronha."

Para atingir essa meta, o plano, com prazo de vigência até março de 2023, pretende reduzir a população de gatos ferais em Noronha, por meio da castração; controlar o número de domiciliados e peridomiciliados; fazer campanhas para sensibilizar a sociedade sobre os impactos desses animais à biodiversidade e o risco à saúde pública; e realizar monitoramentos que subsidiem estratégias para o manejo adaptativo e integrado dos felinos e outros predadores exóticos.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Notícias relacionadas