Olavo de Carvalho 'não tem importância nenhuma', diz ministro Santos Cruz

Ministro Carlos Alberto dos Santos Cruz Direito de imagem Getty Images
Image caption Ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência diz que não tem qualquer interesse no que pensa Olavo de Carvalho

Tratado com honrarias especiais na visita de Jair Bolsonaro aos EUA, com direito a cadeira reservada ao lado do presidente em um jantar na embaixada brasileira em Washington, o escritor Olavo de Carvalho "não tem importância nenhuma" para o general da reserva Carlos Alberto dos Santos Cruz, ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência.

"Se eu me interessasse por ele, poderia dizer alguma coisa. Mas sinceramente não tenho nem curiosidade", disse Santos Cruz em entrevista à BBC News Brasil em Cambridge (EUA), onde participa de rodada de palestras organizadas por alunos das universidades de Harvard e MIT.

Na segunda-feira, Olavo apontou seu canhão de ofensas ao ministro. Em uma sequência de tuítes, disse que Santos Cruz "simplesmente não presta", afirmou que ele "jamais terá coragem de discutir cara a cara", disse que o ministro trata Bolsonaro como "um jovem desmiolado" e sugeriu que ele irá "tramar por trás alguma vingancinha" após as mensagens.

"Sem mim, Santos Cruz, você estaria, como disse o Karim Sebti, levando cusparadas na porta do Clube Militar e baixando a cabeça, como tantos de seus colegas de farda", escreveu o guru.

Santos Cruz, por sua vez, adotou tom sereno: "Tenho muita coisa para fazer".

O ministro também comentou o possível afastamento do colega Ricardo Vélez, titular da Educação, cujo futuro na pasta, segundo Bolsonaro, será resolvido até segunda-feira.

"Bola para frente, o ministério tem que funcionar seja com um, seja com outro", afirmou.

Direito de imagem Reuters
Image caption 'Olha, eu não presto atenção, eu não leio', disse o ministro sobre os comentários de Olavo de Carvalho sobre o governo

Questionado sobre a polêmica da mudança de livros escolares para que rever a história do golpe militar de 1964, anunciada por Vélez, Santos Cruz foi categórico.

"Estamos perdendo tempo em discutir uma coisa de 55 anos atrás quando temos um monte de coisas mais importantes para discutir."

Leia os principais trechos da entrevista:

BBC News Brasil - Os militares são descritos muitas vezes como ala mais moderada, que tem mais articulação com as instituições, com a imprensa, enquanto outros no governo adotam tom agressivo. Isso é positivo ou negativo?

Carlos Alberto dos Santos Cruz - Acho em primeiro lugar que não existe uma ala militar, tem alguns militares como eu no governo e a grande massa é de civis. São pessoas também moderadas. Você hoje em dia tem muitas reações principalmente pela mídia social então parece um radicalismo. Mas na verdade os radicais no Brasil são muito poucos, sejam em um extremo ou no outro.

Hoje em dia você consegue fazer um volume de tumulto muito grande por causa das mídias sociais que você tem à disposição, como WhatsApp, Twitter etc. Então, numa eleição que foi muito polarizada e que as mídias sociais foram fundamentais durante toda a campanha, isso aí precisa ser mais harmonizado.

Mas é início de governo, numa eleição que foi muito polarizada era esperado isso daí, né? Agora as coisas vão se acomodando, já que as pessoas não querem radicalismo, não gostam de radicalismo. A harmonia está voltando.

BBC News Brasil - Olavo de Carvalho falou há pouco tempo do senhor. Eu queria saber o quanto Olavo é ouvido dentro do governo.

Santos Cruz - Olha, eu não presto atenção, eu não leio. Não posso fazer nenhum comentário porque para mim (ele) não tem importância nenhuma. Então, tenho muita coisa para fazer e não vou comentar até porque eu não leio esses comentários.

BBC News Brasil - Mas o quanto ele é ouvido dentro do governo? Ele tem o peso que se comenta?

Santos Cruz - Como eu não acompanho essa pessoa, eu não tenho condições de fazer esse tipo de avaliação. Se eu me interessasse por ele, poderia dizer alguma coisa. Mas sinceramente não tenho nem curiosidade.

BBC News Brasil - Sobre o ministro da Educação, essa novela está se aproximando de um desfecho? Hoje o presidente insinuou que ele seria afastado.

Santos Cruz - Como saí do Brasil anteontem à noite, estou acompanhando também pela internet. O que sei é o que está na mídia. Essa saída do ministro, até outros nomes ventilados... Mas a gente nunca sabe se os outros nomes ventilados são algum ensaio ou se é a realidade. De vez em quando, saem até coisas sobre mim. Então, prefiro esperar um pouquinho.

Direito de imagem Reuters
Image caption 'Se houver necessidade de decisão presidencial de substituir, isso acontece em qualquer governo', diz Santos Cruz sobre ministro da Educação

BBC News Brasil - O senhor pessoalmente vê a figura do ministro Vélez como algo que desgaste o governo?

Santos Cruz - Acho que qualquer assunto polêmico desse tem que ser analisado com muita calma. Há muitos interesses, não se sabe bem onde começa e onde termina cada assunto. Se houver necessidade de decisão presidencial de substituir, isso acontece em qualquer governo.

Bola para frente, o ministério tem que funcionar seja com um, seja com outro. O Ministério da Educação é uma área muito dinâmica, com muita discussão, há muitos grupos ideológicos, muita gente intelectualizada, então o Ministério da educação é muito difícil, não é um ministério técnico, ele mexe com a essência da sociedade em todos os níveis.

Ele tem uma característica diferente dos outros que são puramente técnicos, em que você consegue chegar a uma conclusão em uma análise técnica. Você tem que acomodar gente com diversas teorias e linhas de raciocínio. É muito difícil, então, eu não critico porque é um ministério muito difícil.

BBC News Brasil - O senhor assumiu uma tarefa difícil de articulação, se reuniu recenemtente com senadores e deputados. Quão difícil é a missão de sensibilizar esses parlamentares que de repente parecem se afastar do governo?

Santos Cruz - A articulação política está a cargo do deputado Onyx (Lorenzoni) na Casa Civil. Sou o coadjuvante, não o ator principal, mas auxilio também porque a Secretaria de Governo tem este viés. Agora, isso é questão de conversa. Política, principalmente na nossa cultura, depende muito de relacionamento. Nossa cultura é baseada em relacionamento. Então você tem que conversar. Eu não vejo esse afastamento.

BBC News Brasil - Os parlamentares criticam o governo justamente por falta de diálogo e conversa.

Santos Cruz - Eu recebo sempre senadores e deputados. Três dias atrás, eu fui almoçar com senadores no Congresso. Nossa conversa é tranquila, logicamente cada um colocando a sua posição, eles fazendo as demandas, todas elas válidas do ponto de vista político, sem que se possa fazer um reparo nas solicitações. Não tem problema nenhum. Agora, hoje em dia, a imprensa, a mídia, qualquer coisinha vira uma explosão. Mas acho que está tranquilo.

BBC News Brasil - O senhor, recentemente, na Universidade Santa Úrsula, falou sobre a importância de alunos não se deixarem levar pelo discurso ideológico de professores. O senhor apoia essa ideia de revisão de livros didáticos para que a história de março de 1964 seja contada de uma nova forma?

Santos Cruz - A minha especialidade não é educação. Agora, eu vejo que é preciso muito cuidado porque todo mundo na juventude é muito idealista. Quando se é idealista, é mais fácil às vezes com discursos bonitos divulgar demagogia e radicalismos.

Acho que tem que evitar radicalismo e demagogia na área de ensino. Agora, se o ponto é 1964 ou não é, acho que estamos perdendo tempo em discutir uma coisa de 55 anos atrás quando temos um monte de coisas mais importantes para discutir.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Notícias relacionadas