Bolsonaro é 'infantil' e política ambiental brasileira ameaça acordo UE-Mercosul, dizem deputados alemães

Casa que abriga Parlamento alemão em Berlim Direito de imagem Reuters
Image caption Alguns parlamentares alemães têm sugerido restrições a produtos brasileiros em retaliação ao desmatamento da Amazônia

A política ambiental do presidente Jair Bolsonaro, destaque nas manchetes globais devido a polêmicos embates com governos europeus e à ampla repercussão de focos de incêndios na Amazônia, pode resultar em futuros problemas comerciais para o Brasil com a Europa.

É o que indicam deputados de centro-direita, centro-esquerda e esquerda do Parlamento alemão ouvidos pela BBC News Brasil em Berlim ao longo da última semana - alguns chegaram a usar os termos "infantil" e "valentão" para descrever o líder brasileiro.

Ao mesmo tempo em que governos de França, Finlândia e Irlanda levantaram, entre quinta e sexta-feira (22 e 23/8), a possibilidade de retaliar o Brasil e o Mercosul no âmbito comercial, parlamentares do Partido Verde (uma força emergente na política alemã), do Partido Social-Democrata (SPD, de centro-esquerda, da coligação governista) e do Partido Democrático Liberal (FDP, de centro-direita e da oposição) também demonstraram preocupação, em diferentes níveis, com o acordo de livre comércio entre a União Europeia e o Mercosul.

Enquanto membros dos verdes e do SPD dizem que o acordo pode estar em risco - os verdes até mencionam uma restrição europeia a produtos brasileiros ligados aos desmatamento da Amazônia -, os deputados do FDP são mais moderados.

Pró-comércio, os liberais-democratas defendem o acordo, mas consideram haver riscos para o pacto caso o Brasil não cumpra seu compromisso de desenvolvimento sustentável e de respeitar o Acordo Climático de Paris.

Embora nem sempre o façam explicitamente, os parlamentares do FDP não descartam a possibilidade de eventuais restrições ao Brasil.

Contudo, apoiam medidas nesse sentido apenas dentro dos mecanismos de monitoramento previstos no acordo UE-Mercosul. Os verdes, por outro lado, alegam que esse sistema não tem poder para impor punições a quem violar o tratado.

"Se o Brasil não prestar atenção à sustentabilidade de seus produtos, eles não terão chance no mercado europeu. Com ou sem acordo com o Mercosul", afirma a deputada Yasmin Fahimi (SPD), presidente do Grupo Parlamentar Teuto-Brasileiro.

"Creio que possa haver medidas temporárias para colocar pressão no governo brasileiro, mas definitivamente precisamos do acordo UE-Mercosul também porque ele oferece uma plataforma e legitimidade a esse diálogo", argumenta a deputada Sandra Weeser (FDP), integrante do Comitê de Relações Exteriores do Parlamento alemão.

Weeser, entretanto, preferiria não implementar "novas barreiras ao comércio".

Direito de imagem EPA
Image caption 'A linguagem que ele (Bolsonaro) entende é o comércio. É, portanto, necessário deixar de importar produtos que destruam a floresta tropical', diz Katharina Dröge, deputada alemã

Brigas com a maior economia da Europa

Brasília e Berlim têm trocado farpas sobre temas ambientais nos últimos meses.

Em junho, durante a reunião do G20 que selou o princípio de acordo UE-Mercosul, Bolsonaro ficou irritado com um comentário de Angela Merkel, no qual a chanceler (premiê) alemã demonstrava preocupação com a proteção ao meio ambiente no Brasil.

Em agosto, o Ministério do Meio Ambiente da Alemanha, em meio aos expressivos níveis de desmatamento na Amazônia, bloqueou R$ 156 milhões para projetos de conservação na região e questionou o comprometimento brasileiro em combater o problema.

A maior economia europeia também indicou que a ratificação do acordo com o Mercosul estava em risco caso o Brasil não cumprisse as obrigações ambientais.

Bolsonaro, contudo, debochou da suspensão da verba. O presidente disse que o Brasil "não precisa disso (dinheiro)" e mandou Merkel pegar "essa grana" e "reflorestar a Alemanha" porque "lá está precisando muito mais do que aqui".

O tom da resposta não agradou na Alemanha. Deputados ouvidos pela reportagem repudiaram a falta de diplomacia do presidente e disseram que Bolsonaro "joga contra o próprio interesse", além de chamá-lo de "valentão" e "infantil" pela forma como lidou com a pressão de Berlim.

Membros dos verdes começam a questionar se a estratégia alemã de enviar recados simbólicos terá algum efeito e passam a aventar medidas mais agressivas, como a restrição na Europa à soja e carne bovina brasileiras.

"A linguagem que ele entende é o comércio. É, portanto, necessário deixar de importar produtos que destruam a floresta tropical e bloquear a conclusão do acordo comercial UE-Mercosul", diz Katharina Dröge, do Partido Verde, legenda que já aparece como a maior força política na Alemanha à frente da União Democrata-Cristã (CDU) de Merkel.

Para Uwe Kekeritz, os comentários de Bolsonaro ilustram sua falta de interesse em questões ambientais. "Em vez de congelar fundos para a conservação do clima e da floresta, é necessário parar de importar produtos que destruam a floresta tropical."

Direito de imagem Reprodução ARD
Image caption 'Bobão de Ipanema': TV pública alemã fez sátira sobre visão de Bolsonaro sobre meio ambiente

Andreas Nick, deputado da CDU e membro do Comitê de Relações Exteriores do Parlamento alemão, também alerta para a necessidade de o Brasil buscar a sustentabilidade. "O Brasil é depositário da floresta tropical como um dos tesouros globais da humanidade. Isso faz com que seja necessário equilibrar o direito de desenvolvimento econômico com as responsabilidades pelo ecossistema global. O governo da Alemanha está disposto a apoiar o Brasil neste desafio."

Como as políticas e regras de comércio dos países da UE são definidas pelo bloco, os deputados alemães não poderiam impor sozinhos restrições a produtos brasileiros na Alemanha ou na Europa. Contudo, eles teriam como influenciar o governo alemão, deputados do Parlamento europeu e a Comissão Europeia a adotarem tal medida em toda a UE.

Como fica o acordo UE-Mercosul?

Os parlamentos nacionais dos países-membros da UE devem ter um papel crucial no destino do acordo com o Mercosul, uma vez que têm o poder de vetá-lo.

Segundo a Comissão Europeia, apesar de a ratificação dos tratados comerciais do bloco variar, pactos semelhantes ao do Mercosul precisaram ser validados pelos parlamentos nacionais de todos os integrantes da UE, além do Parlamento Europeu e do Conselho de Ministros da UE.

Nesse contexto, os deputados verdes e da SPD sugeriram que a retórica de Bolsonaro sobre o meio ambiente, aliada à impaciência do presidente para críticas no tema, pode impactar a ratificação do acordo com o Mercosul no Parlamento alemão.

Os parlamentares do FDP admitem que as ações de Bolsonaro representam um risco para o acordo, mas acreditam que a sua ratificação ainda é a melhor saída para os interesses comerciais de Brasil e Alemanha. Eles reforçam que o acordo implica no cumprimento da Acordo de Paris, o que ajudaria a conter o desmatamento no Brasil.

"O acordo UE-Mercosul é o melhor veículo para estabelecer padrões internacionais de sustentabilidade. Isso também significa que se um lado não respeitar as disposições, o outro lado pode sancioná-lo. Isso nos ajudará a cuidar para que o governo brasileiro comece a combater o desmatamento e não o encoraje mais", diz Weeser.

Segundo Bijan Djir-Sarai, porta-voz do FDP no Comitê de Relações Exteriores, a "retórica parcialmente ofensiva" de Bolsonaro em relação à Alemanha não é um perigo para o acordo, mas a violação dos princípios fundamentais em que o acordo se baseia. "Suas ações causam mais danos do que suas palavras", diz.

Bolsonaro, prossegue o deputado, "espezinha o Acordo Climático de Paris". Logo, a Alemanha "deve examinar criticamente a parceria com o Brasil, se o país violar o capítulo de desenvolvimento sustentável do acordo com o Mercosul".

A deputada Renata Alt (FDP), integrante do mesmo comitê, se refere ao presidente brasileiro como "o responsável pela destruição da Floresta Amazônica". "A Alemanha deveria repensar o relacionamento bilateral enquanto Bolsonaro continuar nesse caminho", defende.

Alt acredita que o acordo "é um símbolo importante contra o protecionismo", mas respeitar o Acordo de Paris "é uma parte importante do acordo UE-Mercosul". "Consequentemente, não é apenas a retórica agressiva de Bolsonaro, mas suas ações que colocam o acordo em risco", alerta.

Direito de imagem Reuters
Image caption Bolsonaro e Merkel na cúpula do G20 em junho; ocasião em que Brasil e Alemanha trocaram farpas a respeito de política ambiental

Dúvidas no ar

Preocupados com os efeitos do desmatamento na Amazônia, Fahimi, Dröge e Kekeritz duvidam que Brasília esteja disposta a cumprir as regras de sustentabilidade do acordo.

"Creio que Bolsonaro e seu governo terão que decidir se querem ter um acordo comercial entre a UE e o Mercosul ou não. Na minha opinião, Bolsonaro faria bem ao levar em conta todo o cenário e não apenas o interesse do lobby agrícola", diz Fahimi.

Para Dröge, as ações do presidente brasileiro "mostram claramente" que o acordo com o Mercosul "é insuficiente" para enfrentar os desafios da mudança climática. "Estou convencida de que, se Bolsonaro continuar nesse caminho, o apoio ao acordo irá encolher maciçamente entre a população alemã e também no Parlamento."

Kekeritz, por outro lado, acredita que a Alemanha colocará os interesses comerciais em primeiro lugar. O deputado espera, contudo, que o acordo seja barrado nos parlamentos nacionais de outros países. "O governo pode ficar irritado com os comentários de Bolsonaro, mas não prejudicará os interesses das empresas alemãs."

Ataques à chanceler e sátira na TV

Após o último embate do presidente com Merkel, Bolsonaro foi amplamente ridicularizado em horário nobre por um programa humorístico da ARD, a principal rede de televisão pública da Alemanha.

No episódio, o presidente é associado ao filme de terror O Massacre da Serra Elétrica e aparece em uma fotomontagem com uma sunga amarela característica do personagem Borat. Bolsonaro ainda foi chamado de "o boçal de Ipanema", "o Trump do samba" e "bobo da corte do agronegócio".

A sugestão de Bolsonaro para que Merkel use o dinheiro bloqueado ao Brasil para reflorestar a Alemanha foi considerada "infantil" por Fahimi. "A verdade é que Bolsonaro quer apenas encobrir seus interesses econômicos radicais."

Bolsonaro, destaca Dröge, "certamente sabe que" a "floresta tropical brasileira tem uma função central para o clima mundial e uma biodiversidade única, que não pode ser substituída pelo plantio de árvores na Alemanha".

Para Kekeritz, o presidente brasileiro "escolhe ficar do lado errado da história" ao "desafiar uma estratégia conjunta quando se trata da solução de questões globais vitais". "A proteção das florestas brasileiras é fundamental para vencer a luta contra as mudanças climáticas. Ao fazer isso, ele está prestes a destruir não apenas o sustento da população brasileira, mas de todo o planeta e das gerações futuras."

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!