‘Falta de clima' com Bolsonaro deixa presidente eleito da Argentina de fora de encontro do Mercosul

Alberto Fernández Direito de imagem Reuters
Image caption Alberto Fernández (foto) e Jair Bolsonaro vêm trocando farpas publicamente desde a campanha eleitoral argentina

A relação distante e de animosidade entre Jair Bolsonaro e o presidente eleito da Argentina, Alberto Fernández, deve deixar o argentino fora de um encontro do Mercosul marcado para a semana que vem no Rio Grande do Sul, segundo fontes ouvidas pela BBC News Brasil.

Os presidentes dos países do bloco vão se encontrar na cidade de Bento Gonçalves, na reunião semestral do bloco e que terá Bolsonaro como anfitrião.

Os chefes de Estado do Brasil, da Argentina e do Paraguai, além da vice-presidente do Uruguai, a senadora Lucía Topolansky, encontram-se no dia 5 de dezembro para a chamada Cúpula do Vale dos Vinhedos, de acordo com a agenda oficial. Segundo a imprensa uruguaia, por questões de saúde, o presidente uruguaio Tabaré Vázquez, que conclui o mandato em março do ano que vem, não viajará para a reunião e será representado por Topolansky, esposa do ex-presidente José 'Pepe' Mujica.

A reunião marcará a última participação do presidente da Argentina, Mauricio Macri, antes que ele passe a faixa para o sucessor e opositor Alberto Fernández, no dia 10 de dezembro, cinco dias depois da reunião de cúpula do Mercosul.

Diplomatas brasileiros e argentinos e analistas ouvidos pela BBC News Brasil entendem que seria esperado que o presidente eleito da Argentina também fosse convidado para o encontro no Rio Grande do Sul.

"Seria natural que o presidente Macri convidasse seu sucessor, mas não há clima", disse à reportagem um integrante do primeiro escalão do governo Macri, sob a condição do anonimato. "Os que chegam ao poder, a partir do dia 10 de dezembro, falaram tão mal do presidente de vocês (brasileiros) e também não sinalizaram o menor interesse em participar da reunião. E, por isso, o convite não foi feito."

O convite também poderia ter partido do governo brasileiro, o que não ocorreu, disse o entrevistado.

'Farpas públicas'

Bolsonaro e Fernández trocaram farpas públicas desde a campanha eleitoral na Argentina. Dias antes da votação, o presidente brasileiro disse que a vice de Fernández, a ex-presidente Cristina Kirchner, colocaria o Mercosul em risco, e que, neste caso, os encontros poderiam ser com Paraguai e Uruguai, como chegou a reproduzir o jornal econômico El Cronista, de Buenos Aires.

Quando foi confirmada a vitória de Fernández e Cristina — vencendo Macri, que buscava a reeleição —, o presidente do Brasil disse que os argentinos tinham "votado mal" e que não daria os parabéns ao eleito. Ele já tinha dito que a vitória do opositor de Macri levaria os argentinos a copiarem os venezuelanos, buscando a fronteira brasileira.

Por sua vez, Alberto Fernández, que durante a campanha visitou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na prisão, publicou uma foto, no dia da sua eleição, pedindo "Lula Livre". E chamou o presidente brasileiro de "violento e misógino".

Bolsonaro não participará da posse do sucessor de Macri. Convidado, o ex-presidente Lula, opositor de Bolsonaro, declinou do convite, segundo assessores.

Direito de imagem AFP
Image caption Macri esteve com Bolsonaro em Brasília e convidou-o a visitar Buenos Aires

Neste ambiente, surgiram versões, entre fontes brasileiras e argentinas, de que a reunião presidencial do Mercosul teria sido marcada em 5 de dezembro para que fosse evitado um encontro entre Bolsonaro e Fernández.

A outra opção poderia ter sido, observaram, depois do dia 10, com o sucessor de Macri já na cadeira presidencial. "Claramente, a data do dia 5 foi marcada para evitar este encontro", disse um assessor do governo Macri.

Oficialmente, o encontro será uma despedida para Macri. Do lado brasileiro, um negociador do país disse, porém, que "o Brasil não está conversando com o futuro governo argentino" e "faz todo o sentido que esta data tenha sido escolhida para que os dois não se vejam pessoalmente".

Outro diplomata brasileiro afirmou que a política externa brasileira "tem sido pautada, em muitos casos, por questões pessoais" e não descarta que a data do encontro tenha sido influenciada pelo "clima ruim" entre os dois mandatários.

Já o Itamaraty, questionado pela BBC News Brasil, disse que a data da reunião do Mercosul "já estava marcada antes da eleição na Argentina". Outro experiente diplomata brasileiro afirmou a mesma coisa.

'Buscar o diálogo'

O problema é que as diferenças entre Bolsonaro e Fernández também começaram antes da eleição presidencial.

"Nós não temos outra saída além de buscar o diálogo com o Brasil, que tem uma economia, um território e população cinco vezes maior que a nossa. O diálogo é a saída", disse o ministro das Relações Exteriores da Argentina, Jorge Faurie, durante entrevista à imprensa, nesta sexta-feira, quando questionado sobre a futura relação entre os dois países.

Ouvidos pela BBC News Brasil, os analistas Rosendo Fraga, do Centro de Estudos Nova Maioria, e Francisco de Santibañes, do Conselho Argentino de Relações Internacionais (CARI), mostraram visões diferentes.

Direito de imagem Reuters
Image caption Novo governo da Argentina toma posse em 10 de dezembro

"A relação (entre Bolsonaro e Fernández) não vai ser fácil. Alberto Fernández não estará na reunião de cúpula do Mercosul porque não foi convidado e Bolsonaro não estará na posse de Fernández porque não fizeram nada para que ele viesse. O que o futuro presidente argentino não parece entender é que quando tome posse terá oito dos dez países da América do Sul com linha (política) diferente (da dele)", disse Fraga.

Ele citou os governos do Brasil, da Colômbia, do Peru, do Chile, do Equador, da Bolívia, do Uruguai e do Paraguai, definidos como de direita ou de centro-direita. Para Fraga, Alberto Fernández deverá ter jogo de cintura para não deixar a Argentina isolada neste cenário.

Na opinião de Francisco de Santibañes, "não é muito grave" que Fernández não participe da reunião do Mercosul. Para ele, a ausência de Fernández no encontro não significa "rejeição" do futuro presidente argentino a Bolsonaro, já que o próprio Bolsonaro não estará na sua posse.

Pragmatismo

Para ele, o fato de Bolsonaro ter dito, na última semana, que espera uma relação "pragmática" com a Argentina é "um sinal positivo". No dia seguinte, durante discurso para quase 2 mil empresários, em Buenos Aires, Fernández disse que sentiu "alegria" ao saber da declaração do presidente brasileiro e falou em "aprofundar" o Mercosul.

"Vamos aprofundar o acordo com o Mercosul. Que o Mercosul tenha presidentes que pensam diferentes não deve ser um problema. E nenhuma diferença pessoal que eu possa ter nos colocará no lugar equivocado", disse, sendo aplaudido pelos industriais argentinos. "Vi com alegria, hoje, que o presidente do Brasil propôs um acordo pragmático com a Argentina, é o que devemos fazer porque o Mercosul vai superar a Bolsonaro e vai superar a Alberto Fernandez", afirmou.

O futuro presidente da Argentina também disse "que todos entendam que não vou trazer camisetas da China e sapatos do Brasil ou da China".

A declaração foi interpretada pelos presentes como "muito diferente" ao que propõe o governo Bolsonaro, que defende a abertura comercial. "O que queremos é um comércio administrado. Nenhum país do mundo tem um comércio completamente aberto. Ou se tem, isso não é bom para suas indústrias e para a geração de empregos", disse o empresário José Ignácio De Mendiguren.

Existem, ao mesmo tempo, dúvidas em torno da transição argentina entre as equipes de Macri e Fernández.

Os dois se reuniram, na Casa Rosada, sede da Presidência argentina, logo após a eleição no dia 27 de outubro. A foto da dupla foi apontada, na ocasião, como símbolo de uma transição tranquila entre opositores.

No entanto, nos últimos dias, diante da falta de comunicação entre os dois líderes e suas equipes, integrantes do governo Macri disseram, publicamente, que a "transição não existe", e Fernández e seus principais aliados criticaram medidas da gestão atual, que reforçarão "a difícil herança" que receberá o próximo presidente do país.

  • Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Notícias relacionadas