Dia Mundial de Luta Contra a Aids: Mortes caem, mas 20% não sabem que têm HIV
A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

Dia Mundial de Luta Contra a Aids: Mortes caem, mas 20% não sabem que têm HIV

Há 37 anos, médicos americanos identificaram uma nova doença mortal: a Aids.

Trata-se da sigla em inglês para Síndrome da Imunodeficiência Adquirida.

Pouco depois, apontaram que o vírus HIV estava por trás destas mortes.

Desde então, 75 milhões de pessoas foram infectadas, das quais 32 milhões morreram, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde.

Então, qual é o cenário hoje?

A Organização das Nações Unidas (ONU) aponta que, em 2018, havia 38 milhões de pessoas com HIV/Aids no mundo.

Mas, em relação há 15 anos, as mortes estão caindo: houve uma redução de 55% desde seu pico, em 2004.

Ainda não há uma vacina contra o HIV, mas os medicamentos evoluiram e permitem que uma pessoa que tem HIV leve uma vida normal.

Mas a ONU aponta que 20% daqueles com HIV não sabem disso.

Como a maioria das pessoas que têm o vírus vivem nos países mais pobres, o desafio hoje é fazer chegar a elas os exames e drogas de que precisam.