Mensagens mostram Bolsonaro pedindo troca na PF para proteger deputados aliados, diz JN

Jair Bolsonaro fala no microfone em coletiva de imprensa, com ministros atrás

Crédito, EPA

Legenda da foto,

Conversa de Bolsonaro e Moro publicada pelo Jornal Nacional indica que presidente tentou proteger deputados da sua base de apoio

O Jornal Nacional, da TV Globo, publicou na noite desta sexta-feira (24) mensagens de texto trocadas entre o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), e o ex-ministro da Justiça, Sergio Moro. Na conversa, Bolsonaro parece defender que o comando da Polícia Federal seja trocado para evitar investigações de aliados.

Sergio Moro pediu demissão do cargo na manhã desta sexta, depois que Bolsonaro decidiu trocar o comando da PF. Ele justificou a saída do governo acusando o presidente de estar intervindo politicamente no órgão.

Segundo Moro, Bolsonaro queria um diretor-geral na PF que lhe passasse informações sobre investigações.

Em uma das mensagens, Bolsonaro diz a Moro que uma apuração da Polícia Federal contra deputados bolsonaristas seria "mais um motivo" para a troca do agora ex-diretor da corporação, Maurício Valeixo.

Na conversa, o presidente da República envia a Moro o link de uma notícia publicada nesta quarta-feira (22) pelo site O Antagonista, intitulada "PF na cola de 10 a 12 deputados bolsonaristas". Em seguida, Bolsonaro escreve: "Mais um motivo para a troca (de Valeixo)".

A apuração a que Bolsonaro se refere foi instaurada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) esta semana e tem por objetivo apurar a organização de protestos que pediam a volta de uma ditadura no país. Os protestos aconteceram no último domingo (19), e Bolsonaro discursou em um deles, na capital da República.

Na troca de mensagens no WhatsApp, Bolsonaro responde a Moro que o inquérito no Supremo "é conduzido pelo Ministro Alexandre (de Moraes) no STF, diligências por ele determinadas, quebras (de sigilo) por ele determinadas, buscas por ele determinadas".

Ao apresentar as conversas, o Jornal Nacional deixou claro que elas foram encaminhadas à produção por Sergio Moro.

'Aceite a troca na PF e vá para o Supremo em setembro'

Crédito, EVARISTO SA/AFP

Legenda da foto,

'Prezada, não estou à venda', responde Moro a mensagem da deputada Carla Zambelli sobre possibilidade de indicação ao STF

Pule Podcast e continue lendo
Podcast
BBC Lê

A equipe da BBC News Brasil lê para você algumas de suas melhores reportagens

Episódios

Fim do Podcast

A reportagem do Jornal Nacional também publicou uma segunda troca de mensagens de Moro, desta vez com a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP).

Integrante da ala leal a Bolsonaro no partido, Zambelli era também uma das políticas mais próximas de Moro — o ex-ministro foi padrinho do casamento dela, em fevereiro deste ano.

Na conversa, a deputada pede a Moro que "aceite o (policial federal Alexandre) Ramagem (no comando da PF, em substituição a Maurício Valeixo)".

Ramagem é o diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), e foi nomeado por Bolsonaro para comandar a PF na tarde desta sexta-feira.

"E vá em setembro para o STF", completa Zambelli, em seguida. O próximo ministro a deixar o STF será Celso de Mello — o que acontecerá em novembro deste ano.

"Eu me comprometo a ajudar a fazer JB (Jair Bolsonaro) prometer (a nomeação)", diz Zambelli.

Lacônico, Sergio Moro responde a Zambelli: "Prezada, não estou à venda".

"Ministro, por favor. Milhões de brasileiros vão se desfazer", apela a deputada do PSL. "Eu sei (que não está à venda). Por Deus, eu sei", diz ela.

A BBC News Brasil procurou Carla Zambelli para repercutir o assunto. A deputada encaminhou à reportagem o link de um vídeo transmitido ao vivo em sua página no Facebook, no qual ela fala sobre o ocorrido.

Crédito, Reprodução/Facebok

Legenda da foto,

Moro enviou ao JN uma troca de mensagens com a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP)

"O Ramagem era um dos nomes cotados para a substituição do Valeixo, que dizia que estava cansado", diz Zambelli.

"Eu estava propondo a ele aceitar o Ramagem, que era um nome bom para ele e para o Bolsonaro. E como uma cidadã, como qualquer uma de vocês, eu disse que 'o seu lugar é no STF, eu te ajudo a ir para o STF'", disse ela.

"Em momento nenhum eu ofereci dinheiro a ele. Eu só estava pedindo: fique no governo, ajude o governo", diz Zambelli.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!