Saída de Moro deteriora discurso anticorrupção do bolsonarismo e afasta presidente da classe média

  • Camilla Veras Mota - @cavmota
  • Da BBC News Brasil em São Paulo
Montagem com fotos de Bolsonaro e Moro, ambos de perfil

Crédito, AFP

Legenda da foto,

Pedido de demissão do ministro Sergio Moro pode corroer uma importante parcela da base de apoio do presidente, apontam analistas ouvidos pela BBC News Brasil

O pedido de demissão do ministro Sergio Moro enfraquece a retórica de combate à corrupção que ajudou a eleger Jair Bolsonaro e pode corroer uma base de apoio importante do presidente, a dos chamados "lava-jatistas".

Esse grupo, conforme o cientista político Adriano Codato, da Universidade Federal do Paraná (UFPR), e o filósofo Pablo Ortellado, da Universidade de São Paulo (USP), tem como "valor fundamental" a anticorrupção e é formado principalmente pelas camadas médias tradicionais, ligadas às profissões liberais.

Assim, uma das principais consequências da saída do ex-juiz do cargo, especialmente após um pronunciamento duro em que acusou o presidente de tentar interferir politicamente na Polícia Federal, pode ser a perda de apoio de Bolsonaro entre a classe média.

Diante de uma eventual deterioração desse pilar de sustentação, acrescenta Ortellado, restaria ao presidente apoiar-se na retórica do conservadorismo moral, outra plataforma que contribuiu para levá-lo ao Planalto, e acenar aos eleitores aos quais esses temas - o antifeminismo e o discurso anti-LGBT, por exemplo - são caros.

"Pode ser uma oportunidade para sabermos qual é de fato o tamanho da extrema-direita radical no Brasil", acrescenta Codato, referindo-se ao eleitorado que forma o núcleo duro do bolsonarismo.

"É o pessoal que vai tentar subir a hashtag 'Moro comunista'", brinca.

O pedido de demissão e o 'contra-ataque' de Bolsonaro

Crédito, REUTERS/Adriano Machado

Legenda da foto,

Sergio Moro e Jair Bolsonaro em foto de fevereiro; o agora ex-ministro da Justiça e Segurança Pública justificou saída do governo por descumprimento de promessa do presidente de que teria carta branca para fazer indicações-chave

Moro pediu demissão após a exoneração do diretor da Polícia Federal, Maurício Valeixo, que havia sido indicado por ele.

Ao comunicar sua decisão, nesta sexta-feira, o ex-juiz disse que o presidente não havia apresentado razão técnica para a saída do diretor.

Afirmou que a atitude de Bolsonaro, apesar de ter a prerrogativa de apontar quadros na instituição, violava a promessa feita a Moro quando este assumiu o Ministério da Justiça e Segurança Pública, de que teria carta branca para fazer indicações-chave.

Moro acusou o presidente de tentar interferir politicamente na PF, insistindo desde o segundo semestre do ano passado para que houvesse uma troca no comando da instituição - sem que houvesse motivo técnico para isso.

"O presidente disse mais de uma vez que queria ter uma pessoa do contato pessoal dele (na PF), para quem pudesse ligar, colher informações, relatórios de inteligência, seja diretor, superintendente", afirmou.

"E não é papel da Polícia Federal, as investigações têm que ser preservadas", acrescentou o ministro, emendando que, mesmo durante a Lava-Jato, nas gestões petistas a instituição tivera autonomia para fazer seu trabalho sem ingerência política.

Ainda segundo Moro, o presidente também teria lhe dito que "tinha preocupação com inquéritos em curso" no Supremo Tribunal Federal e que a troca no comando da PF seria oportuna também por esse motivo - o que, para o ministro, não se justificava a exoneração e lhe gerava "grande preocupação".

Em um pronunciamento horas depois, Bolsonaro rebateu os comentários e afirmou que Moro teria condicionado a saída de Valeixo a uma nomeação ao STF em novembro - algo que o ex-juiz negou minutos depois no Twitter.

Para Codato, a fala de Bolsonaro sinalizou em alguns momentos, especialmente aqueles em que tentou atacar o agora ex-ministro, uma tentativa de conter um eventual desembarque do eleitorado lava-jatista. "Mas ele foi prolixo e confuso", completa.

As interações entre os apoiadores do presidente nas redes sociais nos próximos dias, diz o cientista social, devem dar uma ideia mais clara do saldo desta sexta-feira para a política.

A divisão da base bolsonarista

Entre 11h e 13h30, antes, portanto, do pronunciamento do presidente, a saída de Moro gerava amplo repúdio no Twitter, mobilizando quase 70% dos perfis engajados no debate nas redes e dividindo a própria base de apoio de Bolsonaro, conforme o levantamento feito pela Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (DAPP-FGV).

As manifestações em oposição ao governo superaram o percentual observado por ocasião da saída do ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, que chegou a contar com 60% dos perfis em seu apoio no início deste mês.

O DAPP observou ainda uma divisão entre os apoiadores do presidente. Parte afirmava que a demissão era uma perda no combate à corrupção e, possivelmente, um erro do governo, enquanto bolsonaristas no polo contrário atacavam o ex-juiz e o acusavam de agir politicamente.

O professor do curso de gestão de políticas públicas da USP Pablo Ortellado, que monitora o debate político nas redes sociais, destacou a posição crítica de movimentos lava-jatistas importantes na esfera bolsonarista - como o Vem pra Rua, que chegou a convocar panelaço contra o presidente e classificou a saída de Moro como estelionato eleitoral.

A demissão do ex-superministro coincide ainda com outro episódio que deteriora o discurso anticorrupção do bolsonarismo e pode contribuir para desidratar a base de apoio: a negociação de cargos com o centrão.

O futuro de Bolsonaro e do bolsonarismo

Crédito, EPA/Joedson Alves

Legenda da foto,

Bolsonaro acena para admiradores em Brasília em foto do último dia 19; como fica sua base de apoio após saída de Moro do governo?

Para Ortellado, o impacto da saída de Moro na governabilidade do presidente dependerá de como ele e seu entorno vão interpretar o episódio - e como o eleitorado vai receber o posicionamento do presidente.

"A máquina de propaganda é muito potente", destaca. "Mas ela foi afetada".

Para Codato, o futuro do governo Bolsonaro dependerá do comportamento de três variáveis: da base social, que representa o apoio popular do qual goza o governo, da oposição, que ainda não mostrou uma agenda concreta até o momento, e da base parlamentar.

Ainda não está claro, nesse sentido, qual será o comportamento dos deputados e senadores até então ligados ao presidente. O episódio, diz o cientista social, pode finalmente dividir o grupo entre os que de fato são bolsonaristas e os "moristas".

Após o pronunciamento de Moro, a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) afirmou em entrevista que, por mais que o ex-juiz fosse seu padrinho de casamento, como deputada da base ela deveria ficar ao lado de Bolsonaro.

Já a policial militar Kátia Sastre (PL-SP), deputada da bancada da bala na Câmara e alinhada até então ao bolsonarismo, afirmou em um post no Twitter que, "com a saída de Moro, o presidente Jair Bolsonaro perde. O Brasil perde. O combate à corrupção perde. É uma lástima. A esperança do povo por um país mais justo está indo por água abaixo".

Na mesma linha, o deputado Capitão Augusto (PL-SP) tuitou que "o pronunciamento do Presidente Bolsonaro não reverteu o quadro péssimo após a saída de Moro, talvez tenha piorado mais com os ataques".

Mesmo diante do cenário ainda incerto, Ortellado acredita que a perda de apoio entre os eleitores lava-jatistas deve aparecer em alguma medida nas próximas pesquisas de opinião, reduzindo o nível de aprovação que o governo vinha conseguindo manter desde abril do ano passado, em torno de 30% e 35%.

O eventual desembarque de uma parte do eleitorado, ele avalia, pode levar a uma "reconfiguração forte" do bolsonarismo, mais apoiado no conservadorismo moral e nas classes populares - características que aproximariam o movimento do populismo de direita observado em outros países, em que tradicionalmente não há uma forte adesão da classe média.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!