BBC World Service LogoHOMEPAGE | NEWS | SPORT | WORLD SERVICE
Portuguese Pesquisa na BBC Brasil
 
Primeira Página
Saúde &
Tecnologia
Economia
Cultura
Especial
Fórum
Aprenda inglês
ÁUDIO
Dois minutos pelo mundo
Notícias
Mundo Hoje
De Olho
no Mundo
Programação
Como Sintonizar
SERVIÇOS
Parceiros
Sobre a BBC
Expediente
Página simplificada
Fale com a gente
Empregos
E-manchetes
LÍNGUAS
Espanhol
Português para a África
Árabe
Chinêês
Persa
Hindi
Urdu
BBC News
BBC Sport
BBC Weather
 Você está em: Saúde & Tecnologia
29 de julho, 2002 - Publicado às 09h31 GMT
Fumo é responsável por 30% das mortes por câncer
Aposentado por invalidez, José Apelônio ainda fuma
Aposentado por invalidez, José Apelônio ainda fuma

Isabel Murray, de São Paulo

Um fumante introduz em seu organismo mais de 4.700 substâncias tóxicas com o consumo do cigarro. As mais conhecidas são a nicotina, o alcatrão e o monóxido de carbono.

Dados do Inca (Instituto Nacional de Câncer) indicam que o tabagismo é diretamente responsável por 30% das mortes por câncer em geral, 90% das mortes por câncer de pulmão e 25% das mortes por doença coronariana.

Uma das inúmeras vítimas do cigarro no Brasil é José Apelônio da Costa Filho, conhecido como Seu Zé.

Aos 68 anos, ele é ourives aposentado por invalidez. Já sofreu um derrame, um infarto, só enxerga com um olho, seus rins têm 40% de capacidade, e ele sofre ainda de úlceras no pé.

Ainda fumante

Clique aqui para ler a especial "O Cigarro em Julgamento"

Mesmo caminhando com dificuldade, Seu Zé compra cigarros todos os dias em um bar, onde é recebido com entusiasmo e nem precisa dizer qual marca fuma.

O dono do bar já sabe e diz que ele é o cliente mais assíduo. Seu Zé diz que prefere não ter pacotes de cigarro em casa.

"Já usei esse sistema, mas fumava mais ainda", diz, rindo. "Às vezes eu fumo quatro maços por dia, e à noite acaba. Se eu tivesse mais um maço, eu fumaria mais", admite.

Muito simpático, Seu Zé diz que o médico vascular o aconselhou a parar de fumar, porque só assim as úlceras irão sarar. Mas o argumento não é forte o suficente para fazê-lo largar o vício.

"A teimosia é que não deixou", confessa ele. "Eu sei que não posso, que não devo, que cigarro não faz bem para ninguém, mas é vicio, né?"

Doenças

É com pessoas como José Apelônio que o pneumologista Daniel Deheinzelin, diretor clínico do Hospital do Câncer em São Paulo, lida diariamente.

"Trinta e cinco por cento de todos os tipos de câncer são causados pelo cigarro. E isso inclui pulmão, cabeça, pescoço, estômago, bexiga, vários tipos de câncer", afirma.

"Isso sem contar todas as doenças cardiovasculares, infarto, derrame, tudo isso. Ou o cigarro é um agente direto ou potencializa os problemas da pessoa. Então, no fim das contas 30% de todas as doenças são causadas pelo cigarro", resume o especialista.

De maneira geral, o cigarro causa 80 mil mortes por ano no Brasil. Ou seja, dez pessoas morrem por hora devido ao fumo.

Mas muita gente ainda pensa que o cigarro só causa problemas no pulmão. Genésio Moreira do Nascimento, corretor de seguros de 68 anos, é prova de que isso não é verdade.

Fumante desde os sete anos de idade, ele chegou a consumir três maços por dia e não mudou os hábitos nem mesmo quando descobriu os primeiros efeitos do fumo na saúde.

"Eu tive um câncer nos rins, e o médico disse que, se eu não parasse de fumar, iria estourar em outro lugar. Mas eu continuei fumando a mesma coisa, porque não estava vendo, não sentia nada", recorda Nascimento.

Foi preciso um susto maior. Dois anos atrás, durante um exame de rotina o médico o mandou com urgência para um cirurgião vascular. O diagnóstico era risco de trombose, e ele poderia até mesmo ter que amputar uma perna.

Só depois de colocar uma prótese é que Nascimento decidiu parar de fumar definitivamente, mas enfrentou dificuldades.

"Na primeira semana que eu tinha parado de fumar, convidei um vizinho para tomar um uisquinho", conta ele. "Quando ele foi embora, fui limpar o cinzeiro. Tive vontade de passar no rosto o cinzeiro... Tinha vontade de comer o resto do cigarro dele."

"Mas ele não fez não, ele aguentou", intervém Elsa, sua mulher. "Quando o médico colocou o cateter para fazer a cirurgia de desentupir artéria, a gente viu nitido na TV que o sangue chegava lá e voltava, não passava. Ele iria ter mesmo uma trombose, iria ter mesmo que amputar a perna."

Nascimento afirma que hoje segura a vontade de fumar porque sabe que algo pior poderia acontecer com ele.

Clique aqui para ler o especial "O Cigarro em Julgamento"
 
   PNEUMONIA
Tire suas dúvidas sobre a Síndrome Respiratória Aguda Grave.
   E-MANCHETE
Assine o serviço da BBC Brasil para receber as principais notícias do dia por e-mail.







Notícias relacionadas:
29 de julho, 2002
  Para Mário Prata, cidade grande mata mais que cigarro
29 de julho, 2002
  Diagnóstico dificulta tratamento de câncer de pulmão
29 de julho, 2002
  Produtores dizem que dependem do fumo para viver
29 de julho, 2002
  Abandonar o vício pode exigir ajuda profissional
29 de julho, 2002
  Cigarro resiste a anos de leis e campanhas no Brasil
Links externos:
Instituto Nacional de Câncer
Tabagismo no Ministério da Saúde
Banco Mundial – tabaco (em inglês)
Associação Internacional dos Produtores de Tabaco (em inglês)
Associação Brasileira da Indústria do Fumo
A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo dos links externos indicados.
BBC World Service Logo ^^Volta ao início da página
Primeira Página | Saúde & Tecnologia | Economia | Cultura | Especial
Fórum | Aprenda inglês
---------------------------------------------------------------------------------------------------
Programação | Como Sintonizar
Parceiros | Sobre a BBC