BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 12 de dezembro, 2003 - 20h26 GMT (18h26 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Cientistas dizem ter achado gene que 'resiste' ao álcool
copo de vinho branco
Álcool age em mecanismos diferentes do cérebro
 

Cientistas afirmam ter descoberto um gene importante para a explicação de muitos dos efeitos do álcool no cérebro.

A descoberta foi feita no nematelminto, um verme que tem muitos genes idênticos aos humanos.

Pesquisadores da Universidade da Califórnia em São Francisco (UCSF), ''desligou'' o gene em alguns vermes – que então se mostraram resistentes ao álcool.

Os estudos sugeriram que o álcool age em muitos mecanismos diferentes no cérebro, inibindo a ação de algumas células e produzindo os já conhecidos efeitos de relaxamento e sonolência.

Medicamentos

Os pesquisadores esperam poder produzir um medicamento que desligue alguns dos efeitos de prazer ligados à ingestão do álcool, e talvez tentar combater o alcoolismo com este remédio.

Apesar do ceticismo de outros pesquisadores, os cientistas da UCSF sugeriram que também é possível criar um medicamento para deixar uma pessoa sóbria depois de beber demais.

A pesquisa da UCSF se concentra em um tipo de verme que tem aproximadamente dez mil genes que também podem ser encontrados nos homens.

Os pesquisadores examinaram um gene chamado slo-1 que tem um efeito em um mecanismo que abre um canal em uma célula do cérebro, que deixa íons de potássio saírem.

Segundo os cientistas o álcool faz com que este canal se abra mais freqüentemente, deprimindo a atividade de células cerebrais e levando a atividades lentas e sem coordenação, associadas a pessoas que beberam.

''Até conduzirmos estudos com humanos, não podemos afirmar com certeza se este canal ou os caminhos envolvendo este canal apresentam algum problema em pessoas que sofrem de alcoolismo. Mas sabemos que é central para os efeitos intoxicantes do álcool'', disse Steven McIntyre, que liderou o estudo.

A pesquisa foi publicada na revista científica Cell.

 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
 
 
LINKS EXTERNOS
 
A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo dos links externos indicados.
 
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade