BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 17 de outubro, 2006 - 10h05 GMT (07h05 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Expressões faciais podem ser hereditárias
 
Dois parentes da mesma família analisados no estudo
Pessoas da mesma família teriam reações similares
Uma pesquisa conduzida por estudiosos israelenses descobriu que as expressões faciais que fazemos quando estamos contentes, tristes ou irritados podem ser passadas de geração para geração.

Os cientistas descobriram que as similaridades entre expressões de pessoas da mesma família são surpreendentemente grandes.

Em trabalho publicado na Proceedings of the National Academy of Sciences, eles concluíram que tais expressões podem ser hereditárias, confirmando as hipóteses levantadas por Charles Darwin em 1872.

Em seu famoso trabalho, “Expressão das emoções em homens e animais”, Darwin sugeria que as expressões seriam herdadas geneticamente.

Para comprovar a tese de Darwin, pesquisadores da Universidade de Haifa, em Israel, analisaram as expressões de 21 voluntários cegos de nascença, assim como as de parentes.

Eles entrevistaram os participantes, pedindo a eles que contassem episódios que os deixassem felizes, tristes, irritados ou enojados e gravaram as suas reações.

Eles também prepararam um teste para ver suas expressões quando estavam se concentrando e deram sustos para observar o modo como reagiam.

Quando viram os resultados, os cientistas perceberam que mesmo sendo cegos e sem nunca terem visto seus parentes na vida, os participantes reagiam de maneira muito parecida com as dos familiares, com maior destaque para a semelhança nas reações negativas.

Espécie social

Gigi Peleg, chefe de pesquisa do Instituto de Evolução da Universidade de Haifa, diz: “Descobrimos que as expressões faciais são típicas das famílias, como se fossem uma assinatura”.

“Nosso próximo passo é descobrir que genes exatamente influenciam a expressão facial”, afirmou.

Segundo a pesquisadora, tal descoberta poderia ter relevância no estudo do autismo, onde as expressões faciais são um ponto central da doença.

Para Ruth Mace, antropóloga evolucionária do University College London, “a expressão das emoções é algo que foi moldado pela seleção natural ao longo do tempo”.

“Como uma espécie social, é importante saber interpretar as expressões de outros indivíduos para prever suas reações e faz sentido que isso tenha um componente hereditário”, afirmou.

 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Estudo indica falhas nos cérebros de autistas
15 de outubro, 2006 | Ciência & Saúde
Nova espécie de rato é encontrada na ilha de Chipre
12 de outubro, 2006 | Ciência & Saúde
Nozes combatem danos de gordura nas artérias
10 de outubro, 2006 | Ciência & Saúde
Cientistas encontram fóssil de 'camelo gigante' na Síria
10 de outubro, 2006 | Ciência & Saúde
LINKS EXTERNOS
A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo dos links externos indicados.
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade