BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 12 de fevereiro, 2004 - 17h10 GMT (15h10 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Madri abre feira mundial de arte 'transgressora'
 

 
 
Obra exposta na Arco 2004 (Divulgação)
Feira de arte contemporânea surpreende pela ousadia
A arte moderna é transgressora. Baseando-se nisso, 277 galerias internacionais inauguram nesta quarta-feira em Madri a maior feira de arte contemporânea do mundo, a Arco 2004.

Um espaço onde quase tudo está permitido e justificado na concepção artística; da crítica social ao cibersexo, passando por Pelé, George W. Bush e Picasso.

A 23ª edição foi aberta oficialmente pela Rainha Sofia e recebe o público até a próxima segunda-feira.

São 22.860m² para galeristas de 32 países. A organização espera superar a marca de 200 mil visitantes de 2003.

Instalações

A Arco 2004 surpreende pela ousadia. A maioria das galerias apostou nas instalações que tem como público comprador museus e fundações. Arte interativa aberta à participação do visitante entendido ou não.

Uma sala escura com sons gravados de gritos convida o público a soltar seus melhores berros, uma imensa máscara de George W. Bush (para que o visitante entre nela) ou uma série de mesas pretas cobertas de roupas sujas estão à mostra e à venda.

A obra das mesas, por exemplo, chama-se Workers’s clothes worn while he/she is being at work (algo como roupas gastas de trabalhadores enquanto ele/ela estão no trabalhado/a) do artista iugoslavo Bojan Saucenic. Custa US$ 10 mil cada uma das seis mesas.

Há obras para (quase) todos os bolsos e gostos, de pinturas, esculturas a fotografias.

As mais baratas são fotos em preto e branco de galerias africanas de Senegal e Mali, debutantes na mostra espanhola, por 600 euros (cerca de R$ 1.800).

Bem mais caros são os quadros de Picasso. O óleo sobre tela Mulher Alongada sai por 9.5 milhões de euros (aproximadamente R$ 30 milhões).

''A proposta da Arco é atrair todo o tipo de público que goste de arte, seja colecionador ou não. Pessoas que encontram na arte uma paixão e um deleite e, por isso, nossa intenção foi ampliar a perspectiva para esse público. Como notamos o aumento do interesse por outro tipo de obras inovadoras, esse ano abrimos mais espaço a novos criadores'', disse a curadora da mostra Rosina Gómez Baeza.

Crítica social

O lado mais mordaz da Arco é a crítica social. Fotos e vídeo-instalações mostram a morte, a solidão, a falta de comunicação, a guerra e as injustiças do mundo moderno.

Como uma colagem de sacerdotes seduzindo menores e fotos de mulheres africanas sofrendo amputações genitais.

Também há espaço para o inusitado. Travesseiros imensos e brancos para olhar e tocar ao lado de ícones como Pelé e Marilyn Monroe feitos de papel.

Na arte contemporânea, o mundo fetichista e erótico mistura surrealismo e tecnologia. Uma galeria americana exibe um DVD que define como ''cibersexo em desenhos animados''.

Outra mostra a sexualidade do personagem Fada Sininho (de Peter Pan) nua ao lado de um Mickey Mouse que aparece drogando-se.

O espaço da mostra está dividido em dois setores: futuribles e project rooms, além de áreas de descanso em forma de instalações vanguardistas feitas com objetos do cotidiano para sentar, deitar e apreciar, onde cada cadeira, pedaço de chão e teto têm algo a exibir.

Eventos paralelos

A Arco tem este ano ainda dois eventos paralelos: arte na rua e 44 painéis de debate com especialistas internacionais.

As mostras urbanas acontecem em vários pontos da cidade e uma das instalações chama-se Construção Inacabada.

É uma casa feita de verdade por pedreiros. Só que enquanto um levanta uma parede, outro a derruba, de modo que a obra esteja sempre incompleta.

A feira conta com curadores e críticos de instituições como os Museus Guggenheim, MOMA (Museu de Arte Moderna de Nova York), Museu do Prado e Museu de Arte Moderna de São Paulo, entre outros. O país homenageado é a Grécia.

Segundo os organizadores, o mercado de arte está em alta e a perspectiva é subir em 2004.

Nos últimos dois anos, o preço médio das obras aumentou 4,3% e os colecionadores consideram um investimento seguro, principalmente as peças mais modernas.

''Isso ocorre porque a arte está deixando de estar restrita a uma elite para abrir-se a um público maior, sensível às novas tendências. E sabemos que os mercados flutuam mas sempre haverá, por fetichismo, por beleza, por prestígio ou por cultura, quem compre arte'', disse o crítico espanhol Álvaro Durán.

 
 
LINKS EXTERNOS
 
A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo dos links externos indicados.
 
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade